CONTO #32: Dois Hussardos (Tolstói)



          Publicado pela primeira vez em 1856, Dois Hussardos conta a história de pai e filho, duas gerações de hussardos completamente diferentes. O primeiro hussardo, pai, era um homem galante, generoso, que ajudava o próximo mesmo quando o próximo necessitado se tratava de um bêbado com uma grande dívida de jogos. Já o segundo hussardo, o filho, é um jovem aproveitador e egoísta. 
             As duas gerações de hussardos se relaciona com duas gerações de mulheres do campo; a primeira, apaixonada pelo hussardo pai, nunca se esqueceu dele; já a segunda, ao entrar em contato com o hussardo filho, se afasta bruscamente, e não tem o menor interesse por ele.
             O que Tolstoi faz aqui, é contrastar os valores sociais e morais dessas duas gerações. Ao comparar pai e filho, o autor nos mostra como a bondade e a gentileza  de antigamente deu lugar ao egoísmo e à cobiça do presente. Esse saudosismo é recorrente ao longo de todo o conto, e fica marcado com a repetição de frases como "estraguei minha mocidade", ou "aquele tempo não volta mais".

                "Estraguei minha mocidade", disse de repente para si mesmo, não porque pensasse de fato que havia estragado a mocidade - em geral, ele nem pensava no assunto - , mas apenas lhe veio à cabeça aquela frase"
(p. 395)
"A chegada do conde [hussardo pai] ao baile era esperada: o jovem bonito que o vira no hotel
já tinha avisado o decano da nobreza a respeito. A impressão produzida por aquela novidade foi variada, mas no geral não de todo desagradável. "Esse menino ainda vai nos expor ao ridículo", era o pensamento das velhas e dos homens. "E se ele me raptar?", era mais ou menos o pensamento das moças e senhoritas."
(p.405)

Onde encontrar Dois Hussardos: Contos Completos de Tolstói


2 comentários:

  1. Esse eu preciso ler!
    Abraços
    Marco - http://mafiadoslivros.com.br/livros/

    ResponderExcluir
  2. Olá, Tati. Adoro este projeto de contos. Se me permite indicar um, por favor leia "O ovo e a galinha" de Clarice Lispector. Eu tenho a impressão de que cada um tem sua própria interpretação do conto (talvez, em todos as leituras seja assim, mas nesse caso um pouco mais peculiar). Enfim, fica aqui a minha sugestão. Abraços, e gosto muito do teu canal! :)

    ResponderExcluir

>>