CONTO #31: A cidade sem nome (H. P. Lovecraft)

          
          Publicado pela primeira vez em 1921 em uma revista amadora (fanzine?) chamada The Wolverine, A cidade sem nome (The nameless city) é o conto de H. P. Lovecraft que dá início às suas histórias sobre o mito de Cthulhu*, mitologia essa criada pelo próprio autor.
                Aqui conhecemos, então, um viajante que ao atravessar o deserto árabe se depara com essa cidade perdida no tempo, a Cidade Sem Nome, sem história, desconhecida pelo homem não por não estar contida nos livros de história, mas porque nenhum homem se atraveria a conhecê-la
                O destemido narrador, apesar de todos os avisos das vozes ancestrais para se ter cuidado e evitar aquela cidade que chegam até ele sabe-se lá como, resolve, sim, por quê, não, oras?, visitar a Cidade Sem Nome.
                 Uma vez lá dentro, ele se depara com um templo peculiar, cuja arquitetura parece bastante avançada para uma cidade abandonada há séculos como aquela, e as "esquisitices"não param por aí.
                  Excelente na arte de criar ambientes tensos, cuja tensão aumenta a cada parágrafo durante a leitura, Lovecraft vai levando o leitor através do olhar do narrador por essa "visita guiada", e acaba por deixá-lo absolutamente intrigado com o que se encontra naquele lugar abandonado e esquecido por todos.
               Como aquilo tudo foi parar ali? Quem eram os habitantes da Cidade Sem Nome? O que teria acontecido com eles?
                 Excelente porta de entrada para a obra do autor que apesar de toda a fama alcançada nas últimas décadas, ainda permanece obscuro.

OBS: A edição contendo a obra completa de H. P. Lovecraft que aparece na foto, foi lida em inglês; a tradução dos trechos a seguir foram feitas por mim.


“Quando cheguei à cidade sem nome, sabia que era amaldiçoada. Viajava sob a luz do luar por um vale assustador, e, à distância, pude ver a cidade erguendo-se sobre as areias como parte de um corpo em putrefação escapando de sua tumba destroçada. O medo escapava pelas pedras desgastadas da cidade antiga, sobrevivente de enchentes, tataravó da mais antiga pirâmide; uma aura invisível me repeliu e me obrigou a me afastar de seus sinistros segredos ancestrais que homem algum conhecia, e que nenhum homem ousaria conhecer.”
(p. 1)

“O templo, como eu vislumbrara do lado de fora, era muito maior do que os já conhecidos; e era presumivelmente uma caverna natural, já que continha correntes de ar provenientes sabe-se lá de que região. Lá dentro eu conseguia ficar de pé, ereto, mas pude observar que os altares eram da mesma altura dos outros templos. Nas paredes e teto pude ver, pela primeira vez,  alguns traços da arte pictórica da raça ancestral, pinturas curiosas quase apagadas pela ação do tempo; e em dois dos altares, pude ver com certa excitação um labirinto muito bem feito de relevos curvilíneos esculpidos. Ao erguer minha tocha, notei que o formato do teto era regular demais para ser natural, o que me deixou curioso sobre como os talhadores de pedra primitivos fizeram seus primeiros trabalhos. Seus conhecimentos de engenharia devem ter sido vastos.”(p.3)“Minha mente girava em pensamentos alucinados, e os avisos dos profetas árabes pareciam flutuar pelo deserto, vindos das terras conhecidas pelo homem, para a cidade sem nome que eles mesmos não ousam conhecer. Ainda assim, hesitei por um momento antes de avançar portal adentro e começar minha escalada abaixo cuidadosamente, pé ante pé, como quem desce uma escada.”
(p.3)

“Minha mente girava em pensamentos alucinados, e os avisos dos profetas árabes pareciam flutuar pelo deserto vindos das terras conhecidas pelo homem para a cidade sem nome que eles mesmos não ousam conhecer. Ainda assim, hesitei por um momento antes de avançar portal adentro e começar minha escalada abaixo cuidadosamente, pé ante pé, como quem desce uma escada.”
(p.4)


Onde encontrar The Nameless City: H. P. Lovecraft - The Collection

* Permaneço sem saber pronunciar "Cthulhu"; quem puder ajudar, agradeço :)

Um comentário:

<< >>