This Star Won't Go Out (A estrela que nunca vai se apagar) - Esther Earl


Comprei esse livro em e-book.

Fico sempre surpresa com a rapidez com que a Amazon envia o livro para o meu Kindle.

Mas não foi pela rapidez e praticidade que resolvi comprar esse livro em ebook, e, sim, porque  eu sabia que não seria o tipo de livro que eu gostaria de manter na estante;  eu não o releria.

Alguém deve estar se perguntando: para quê comprar um livro que você já sabe que não vai querer reler?
Vou responder por mim, obviamente: porque eu precisava ler esse livro.

Explico.

Quando adolescente, e arranhando os primeiros blogs no Live Journal, em meados de 1996, uma das coisas que já me incomodavam naquela época eram os blogs de pessoas doentes, contando com todos os detalhes suas situações, seus tratamentos, relatando tudo de duas formas possíveis: A) como se nada fosse (estilo: “fui ali comprar um quilo de batatas”), ou, B) com carga emotiva carregada de pedidos implícitos de “tenham dó de mim”.

Esses blogs faziam sucesso.

E eu nunca entendi muito bem por quê.

Provavelmente, pelo mesmo motivo de tanta gente assistir Datena (programa sensacionalista de extrema baixa qualidade, sendo Datena o sobrenome do apresentador): comparar seu sofrimento ao dos outros e perceber, que, a vida, apesar de seus percalços, ainda é boa, e melhor do que a de muitos por aí.

Mas, o que me aborreceu, mesmo, foi a descoberta de que diversos desses blogs grandes, escritos por doentes terminais, na verdade eram embustes......................

Revolta total dos leitores assíduos.

Mais alguém aí pegou essa onda de “sick blogs”nessa época?

Quando eu descobri que algumas pessoas “inovaram”, fazendo em vídeos postagens sobre seus tratamentos de cancer, aids, e outras doenças igualmente graves, automaticamente me lembrei dos embustes.

(Que fique bem claro que, alguns blogueiros da época realmente usavam seus blogs como válvula de escape para seus problemas de saúde.)

Quando os Vlogbrothers, autores de um dos canais do youtube que eu já seguia desde meados de 2006, indicaram o canal dessa garota, Esther, adolescente que sofria com cancer de tireoide, é claro que lembrei mais uma vez dos embustes. Mas eu já era uma “nerdfighter” tardia, velha e chata, é verdade; e,  mesmo com o pé atrás, segui a dica e passei a acompanhar os vídeos da garota. E, sim, ela reclamava da vida, mas não era só isso – era uma garota bem madura para sua idade além de engraçada e divertida.

Não vi muitos dos seus vídeos (postados sem muita frequencia); nem comentava. Mas também fiquei triste quando soube de seu falecimento. E me deu aquele calorzinho no peito ao saber que a história dela serviu de inspiração pra um dos livros do Sr. Green. Que está virando filme, vejam bem.

O livro (The fault in our stars, ou, A culpa é das estrelas, no Brasil) não é sobre a Esther – mas o This Star Won't go out, traduzido rápido demais para o meu gosto de leitora desconfiada, é.

O leitor tem a oportunidade de ler depoimentos de amigos e familiares, bem como velhas entradas escritas pela Esther para seu diário, entradas antigas em seus blogs; trechos de bate-papos com seus amigos virtuais; desenhos feitos por ela; cartas aos pais; e, as três partes que quebraram as minhas pernas: a carta que ela escreveu para a Esther de 17 anos (ela só viveu até os 16...), a descrição do momento de sua morte, escrita pelo pai, e a transcrição do discurso do pai no velório da filha.

Chorei. Litros.

De modo que, não sei se terei vontade de reler este livro algum dia.

Já me disseram que a edição física é linda e colorida (o oposto da minha edição pro Kindle, que traz os desenhos da Esther e suas fotografias em preto e branco).

E, sinto muito, mas não vou conseguir escapar do cliché: temos muito o que aprender com essa menina fofa.

Acho meio creepy, mas os pais ainda mantém o canal da filha no youtube.


21 comentários:

  1. :') To louca pra ler também Tati. Já sei que vou chorar horrores!!!

    ResponderExcluir
  2. Eu quero ler, por motivos óbvios, sendo mega fã do livro que ela inspirou (que é meu preferido do sr. Verde), mas sei, SEI que vou chorar. E é isso que tá fazendo eu dar aquela ~enroladinha~ pra ler. E vou ficar enrolando por mais um tempo, com certeza.

    ResponderExcluir
  3. Tati, eu comprei a edição física americana e é linda de morrer!! Ainda não li, mas vi as irmãs da Esther lendo essa carta que vc falou e é emocionante mesmo! Bjs

    ResponderExcluir
  4. Imagino o quanto deve ser emocionante!
    Não sei se pretendo ler, só meio fraco pra essas coisas :S

    ResponderExcluir
  5. http://lordecroowel.tumblr.com/image/75377728027

    ResponderExcluir
  6. Tati, o link acima é de um desenho que fiz com café e nanquim para você. Bjus. A Ester foi um ser humano inacreditável.

    ResponderExcluir
  7. Que lindo! Agora quero o livro demais mesmo sabendo que vou me aaber de tanto chorar

    http://foreverabookaholic.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  8. Não tinha interesse nesse livro, até agora...

    ResponderExcluir
  9. "The Fault" já tá na minha ToRead List a um tempo, e tava meio que com um pé atrás com esse livro, mas vou procurar ler ele, e já fiquei emocionado lendo o seu texto (eu não costumo chorar quando eu leio).
    'Brigado pela dica, Tati, vou conferir o canal dela. Bjos e boas leituras.

    ResponderExcluir
  10. Tati, você é a melhor blogueira do Brasil.
    Ótimo comentário sobre o livro, mudou totalmente a visão que eu tinha desse livro (eu não queria ler), mas agora estou morrendo de vontade de ler, continue sempre fazendo esses comentários extraordinários.

    ResponderExcluir
  11. Se eu ler um livro desses choro a semana toda. rs

    ResponderExcluir
  12. Fomos quebradas nas mesmas partes! hahaha
    Eu li o livro em português, e a edição ficou muito fofa. É colorida, sim, e tem um cheirinho bom. Eu acho que a tradução se perdeu um pouco, principalmente no diário e nos chats em grupo, talvez por causa das expressões e gírias que a Esther usava (xoxo chegou a ser traduzida como xis ó xis ó, SEM BRINCADEIRA). Mas, de modo geral, a Intrínseca fez um bom trabalho. Até mesmo porque conseguiram fazer um lançamento simultâneo com os USA, e isso não é comum HAHAH
    Eu marquei milhares de post its no livro mas sinceramente? Não vou dar conta de relê-lo. Te entendo.

    ResponderExcluir
  13. Tati, adorei o texto, foram exatamente as 3 partes em que eu chorei horrores também! Já li o livro, A Culpa é Das Estrelas é o meu favorito, por isso comprei a versão impressa (é sim muito bacana, toda colorida). Mas também não sei se leria novamente, é só pra guardar junto com a coleção do John Green mesmo.

    ResponderExcluir
  14. OI, tudo bem?
    Eu acho que esse sera um dos cometários mais longo que você vai ler. A pouco tempo conheci seus vídeos via celular, e sempre quando sair do serviço e estava á caminho da faculdade eu tinha que ver pelo menos 2 vídeos seu. Essa noite fiquei com insonia e vi mais de 2 claro. Eu queria muito mandar um email para você dizer que admiro seu canal e seu blog, mas acho que é mais fácil aqui, e espero que você leia. Talvez você vai até o meu blog e fique se perguntado, o porque uma menina que escrever sobre música e bandas novas está fazendo no meu blog ou algo do tipo. Digo isso porque não sou acostumada a ler e talvez escreva até mal, não sei. Bom, o motivo que estou aqui é para agradecer, mais serio agradecer muito muito, gostaria muito de encontrar um dia você e pode dar um abraço e dizer muito obrigada TATI, afinal você me ajudou muito sem ao menos ter ideia. Vou dizer o que aconteceu. Meu blog logo no começo era visto por muitas pessoas e ainda é, afinal divulgo bandas novas e música, enfim. Tive um grande problema recentemente, recebi vários e-mail de pessoas criticando meu blog e dizendo que escrevo muito mal. CLARO FIQUEI triste, afinal gasto madrugada me dedicando á algo que gosto e meus finais de semana procurando bandas e músicos para apresentar no meu site. Então tomei a decisão de excluir o blog e esquecer tudo isso, assim facil sem ao menos tentar mudar algo, foi ai então que surgiu uma luz no fim do túnel, digo surgiu um vídeo (risos), no caso você. Parei de escrever uma semana no blog por está triste, e então comecei ver seus videos, confesso que nunca gostei muito de ler ou tive interesse, só na escola no ensino médio, eu era muito sozinha e passava o intervalo inteiro na biblioteca ou quando tinha aula vaga lendo os livros da Agatha Christie, sim eu era um pouco sozinha, nerd de aparelho, bem estilo Bety "a feia" ou então Carrie "a estranha", (risos). Continuando, eu estava vendo uns vídeos sobre até mesmo uns livros e a forma que você falar sobre eles e dá sua opinião me fez ter interesse de ler esses livros, com isso eu iria melhorar minha escrita e assim não teria mais crítica grande no blog, entende? Uma coisa levou á outra, ler é algo bom ok agora sei disse e você falar de tal forma dos livros que tenho vontade de ler todos, eu não sei nem como te agradecer TATI. ENTÃO, fiz a seguinte decisão de não excluir o blog e ver como as próximas críticas como pontos em que posso melhorar, por exemplo esse, era só fazer um esforço e pegar um livro e ler com atenção e assim ir melhorando minha escrita. Eu to dizendo tudo isso porque ainda estou em fase de leitura e de melhorar minha escrita, principalmente com "R", eu não soube em um momento lida com pessoas e hoje seu lida com suas opiniões e isso é importante. Estou feliz e cada dia mais colhendo bons frutos do meu trabalho com blog, e o blog é algo muito importante, foi a forma que achei de sair do meu mundo da época da escola e conhecer novas pessoas e músicos. MÚSICA É VIDA. Obrigada mesmo, saiba que você ajudou alguém á continuar com um sonho. Adoro seus vídeos, sou sua fã e admiro seu blog e seu canal e espero um dia senta e tomar um suco e conversa com você, afinal sou curiosa e tenho milhares de perguntas para fazer.

    SOBRE O POST:
    Eu entendo muito bem o que você diz. Eu tinha uma amiga na faculdade que ela criou um blog para falar sobre o câncer da mãe e como era o tratamento e ela dizia que era a forma de mostrar para muitas mulheres que câncer de mama é algo que nos tempo de hoje existe cura, e no caso dessa colega de faculdade eu acho super válido. Olhar eu não vou ler esse livro porque eu não gosto de coisas triste, por mais que tenha uma lição por trás dessa historia eu não conseguiria ficar bem psicologicamente lendo o livro, acredito. Mas um vez adorei seu post e agora será mais frequente minhas vindas aqui.
    ps.: desculpa o texto grande (risos)

    obrigada,
    beijo,
    @maahmusic

    ResponderExcluir
  15. Oi!!!! (1° comentario no blog :))
    Confesso que da uma vontadezinha de ler, mas tbm receio, sou mtu chorona, ja sei que vai ser dificil... bom, antes tenho que ler A culpa é das estrelas, pra depois decidir se quero ler o da Esther msm O.o

    ResponderExcluir
  16. A Tati é fofa, ela explicou o que era o programa do Datena pra gente. Nos deu o benefício da dúvida! :)

    ResponderExcluir
  17. Aaaaai Tati!! Eu não gosto desse tipo de livro... acho que é por isso que não curto o Green (não me matem rsr). Eventualmente leio livros tristes e eu choro muito, mas os sickbooks não estão nunca na minha lista!
    Além disso, tenho um certo preconceito, sabe? Sei lá rsrs
    Resenha ótima como sempre! Detalhe: eu sou da época e acompanhava os blogs do live journal com minha internet discada. Para de falar essas coisas de gente "antiga" hahah Bjão da Isa - LidoLendo.

    ResponderExcluir
  18. Oi, quero deixar uma dica. Você pode instalar o Kindle para PC e ver as imagens coloridas para também postar aqui; ;)

    ResponderExcluir
  19. Tatiana,

    Aproveitando a apoteose deste post, neste momento do blog, queria deixar meus humildes agradecimentos. Peguei algumas de suas indicações de leitura e estou num deleite! Por que você ensina os leitores a serem ecléticos e deixarem o preconceito do lado: o que vale é uma leitura prazerosa. (ponto)

    Beijo grande!

    ResponderExcluir
  20. Poxa Tati... Nunca tinha visitado seu blog. Só via seus vídeos. É muito lindo! =D
    Eu também nunca tive vontade de ler este livro, por ter as mesmas impressões que você: aquele negócio de "coitadinha de mim", "prestem atenção em mim".
    Mas sabe que depois de ler sua resenha fiquei com vontade?!

    Beijos,

    ResponderExcluir
  21. Oi Tati...Terminei esse livro ontem e simplesmente ele acabou comigo, ja li muitos livros tristes com historias de doentes terminais e tal (adoro um drama na literatura),porem esse livro me acertou no estômago, por não ser ficção, é um livro triste não deixa de ser bonito,mas confesso que comigo não foi uma das melhores experiências com a leitura, enfim.. adoro seu canal e blog também bjoks

    ResponderExcluir

<< >>