Mas eu me mordo de ciúmes! É mesmo? Fo*%$-se! (por Hpcharles)


                          



                        "Mas que torturas infernais padece o homem que, amando, duvida, e, suspeitando, adora."
                                                                                          William Shakespeare em "Otelo""O que está cercado pela chama do ciúme acaba, como o escorpião, por voltar contra si mesmo o seu agulhão envenenado"                                                                                                   Friedrich Nietzsche em "Assim falou Zaratustra"



Depois de falar da “rejeição”, chegou a vez dele. E odeio esse cara. Então vai voar caco, estejam avisados. O texto é para adultos e o papo é reto. Quem entende que o ciúme é a lenha da fogueira, a cereja do bolo, a azeitona da empada na relação, pode parar aqui. Deve existir um blog falando sobre a Selena Gomez e o Justin Bieber em algum lugar.

Meus caros, se tem um sentimento burro, desprezível, filho da puta e superestimado, é a porra do ciúme.  Desculpem o meu francês, mas é isso mesmo. Não tiro uma vírgula.

Eu sei que tem gente que curte. Tem gente que acha “bonitinho”. Tem um pessoal que diz que sem ciúme não existe amor. Pode até ser, o que duvido, mas o que SEI é que tem muita gente com a cabeça escangalhada. Fato que, mais ou menos, explica essa deturpação.

Vou deixar claro uma vez mais, só para que minha posição fique absolutamente cristalina. Ciúme é uma MERDA! QUALQUER tipo de ciúme! Um sentimento estúpido que, na abissal maioria das vezes é destrutivo e, via de regra, esconde outras coisas por trás dele.

Ciúme não é amor. É insegurança. Afirmar que ciúme é bonitinho é o mesmo que bater palmas para acidente de trânsito. E dar um condão de virtude para o ciumento, seja ele(a) quem for, o colocando como alguém amoroso ou sensível porque sente ciúmes é, nada menos, do que glamourizar o que é pernicioso.

Cumpre fazer um adendo, no entanto. A meu ver existem dois tipos de ciúme. Ambos maléficos. Mas apenas um é justificável, ou para ser mais preciso, compreensível.

Existe o ciúme que tem fundamento no possível. Exemplo: ciúme de uma ex-namorada(o), que por vezes ainda perambula pela nova relação, seja com telefonemas, e-mails ou algo similar. Ciúme de um colega de trabalho, talvez inconveniente ou intrusivo, que está presente no dia a dia. Enfim, cada um que pense na maldade que quiser.  Me refiro a algo que não existe, porém que seja palpável. Que possua meio de se realizar de alguma forma. Que seja tateável, quiçá discutível.

Esse tipo de ciúme ainda se entende e, quando vem a se tornar um aborrecimento, vale uma conversa, para tranquilizar quem se sente ameaçado. Aliás, essa é a palavra. Ameaça.

A ameaça tem que estar fora do campo da ficção. E aí entra o segundo tipo de ciúme: o risível. Por mais ridículo que seja, existem pessoas que tem ciúme da atriz de tv, da revistinha “de mulher pelada”, da pornografia de internet. O quão patético é isso?

Além de se sentirem ameaçadas pelo intangível, se rebaixam ao nível daquilo que nada significa. Eu pergunto: o que é a droga da Angelina Jolie na sua relação? O que é o Brad Pitt em relação ao seu namoro? Cacete! Porra nenhuma! Eles tem o mesmo peso do que a Cuca, do que o Saci. Eles não existem fora das telas! Ou será que o ciumento acha que algum dia aquela atriz pornô da Europa Oriental vai tocar a campainha e dizer que pegou um avião para transar com o seu marido? Quanta bobagem. Quanta insegurança. Quanta imaginação.

O ciúme é uma merda. Assim como o depressivo suga a afetividade, o ciumento suga a “felicidade”. Podem reparar, o ciumento é um coitado que não pode ver o parceiro feliz a não ser em função dele. Se a relação sair da caixinha que construiu para colocar seu objeto de desejo, o ciumento precisa fazer algo. Como um jardineiro sentimental, tem de podar a felicidade do outro.

No fundo, ele próprio acha que não é suficiente e, como todo inseguro, vai procurar, fora de si, uma desculpa para destruir o que não acredita que mereça. É evidente que nem sempre ele faz isso de forma consciente. Mas o ciumento mesmo, aquele miserável, vai criar algo que o possibilite vestir a sua capa de infelicidade. Conseguiram pegar a sutileza da parada?

Por vezes esse ciúme alienígena encontra raízes no passado. Em uma relação onde havia infidelidade, onde as coisas eram turvas. Às vezes ele é oriundo de exemplos na família. Pai ou mãe que traíram e acontece uma transferência, uma confusão. Não é raro ouvirmos dizer que "nenhum homem presta e que toda mulher é puta”. Que estultice! Ora, se VOCÊ não presta ou se VOCÊ se considera puta, não me coloque e nem aos outros, que sequer conhece, na mesma cesta, por obséquio. Grato! Não traga os esqueletos de seu armário para sua nova cama. Não é justo.

Isso me lembra de uma conhecida, muito ciumenta, que justificava o próprio ciúme, aduzindo que, pelo fato de saber ser capaz de trair, não confiava em ninguém. Que bonito, gente! Bom, pelo menos a despeito do quão fodida estava a sua cuca, foi honesta em sua loucura. Sempre desconfiei dos moralistas. Será que devemos desconfiar dos ciumentos? Será que existe um tipo de confissão no ciúme? Deixo isso para os psicanalistas.

Mas HP, e quando realmente houver uma traição (odeio essa palavra), quando de fato houver uma “ameaça”? É simples. Existirão indícios. Evidências. E por favor, evidências são as que se podem evidenciar, não aquelas dentro da mente do Norman Bates. Evidência é diferente de esquizofrenia.

Nunca fui ciumento, graças a Zeus. Não está em mim essa merda. Pelo menos "essa" merda. E muitas vezes já fui tachado de frio por isso. Muitas vezes já ouvi que não gostava. Muitas vezes fui criticado por acreditar no caráter de quem estava comigo e confiar que não seria trocado com facilidade. It`s a fucked up world.

Acreditem, já vi relações com enorme potencial serem destruídas por esse sentimento menor. Vi rapazes que genuinamente amavam suas namoradas e esposas apaixonadas por seus maridos, que sucumbiram pelo que nunca existiu. Não pelo que existiu.

O ciúme mina. Corrói. Os árabes possuem um ditado que diz: “nunca canse quem gosta de você”. E o ciúme faz isso. Ele vai quebrando o cristal, pois o companheiro, quando inocente, vive a se desculpar pelo que não fez. Quem já esteve nessa posição sabe o quão injusto e revoltante é isso.

Tenho um amigo, também advogado, que há algum tempo me confidenciou que iria passar a adotar uma atitude canalha, após anos aguentando o ciúme. Disse que nunca tinha traído mas que iria começar a fazê-lo, porque sempre pagou por isso mesmo. Já que seria acusado de qualquer maneira, pelo menos o seria com justiça.

Claro que a solução é estúpida e covarde. Claro que a culpa é dos dois. Claro que existe uma relação simbiótica de sadismo aí. Mas porra, trair porque vai se foder do mesmo jeito? Emenda pior do que o soneto?

O exemplo, no entanto, foi apenas para mostrar em que ponto as coisas podem chegar no reino da Dinamarca. E isso acontece porque existe uma patologia contida nesse comportamento. Alguém muito inseguro e alguém que acha legal essa insegurança. Que a incentiva de alguma forma e não corta aquela porcaria, logo quando bota a cabeça para fora.

Me digam que nunca ouviram o famoso, “ah, eu adoro quando ele(a) demonstra ciúme”. Fuck! Vá se tratar! Que tal se preocupar com a vida real? Será que não existe nada mais importante do que ficar procurando pelo em ovo?! Ó, se quiser tem umas contas aqui sobrando. Vai?!

O importante é que se saiba que tanto aquele “ciuminho” bonitinho, adornado pelas comédias românticas, como aquele ciúme infernal, psicótico, não são positivos, por mais que digam ou se pense o contrário. E como sei? Porque ele não constrói nada. Não articula nada. Ciúme não é demonstração de afeto, isso é lenda urbana. Ciúme é sinal de insegurança.

Se o sinal de ciúme acender dentro de você, segure sua onda e pelo menos tente usar alguns minutos de razão para vislumbrar se existem FATOS que corroborem as acusações ou discussões que virão na esteira daquele sentimento. SEPARE A ILUSÃO DA REALIDADE! Isso é possível, é só querer.

E por fim entenda que se alguém está contigo despendendo tempo, fazendo planos, investindo vida, você deve valer alguma coisa, não? Pelo menos é o que faço. Acredito que tenho valor e que minha relação, que foi construída com zelo e com esforço, não será trocada ou jogada fora por pouco.

E se acontecer o pior? Se acontecer eu avaliei errado quem estava comigo. Paciência. É a vida. Mas enquanto isso não ocorre, não vou inventar motivos para estragar o que tenho. Não vou boicotar a mim e a minha história com alguém de que gosto. Não vou procurar monstros dentro do armário, dentro de “Facebooks” ou de caixa de e-mails. Sou adulto e pressuponho que estou me relacionando com outro adulto. Deve ser o bastante. Se não for, não há nada a fazer.

27 comentários:

  1. Nossa, tão bom ler esse tipo de coisa. HP, passei por uma coisa desse tipo há algum tempo atrás, e realmente também sou grato por não ser ciumento. A maior verdade que já li na vida: que o ciúme vai quebrando e cristal, e muitas vezes acabamos nos cansando, temos que nos desculpar daquilo que não fizemos. Passei por isso diversas vezes com a mesma pessoa, SEMPRE a mesma coisa, e eu abaixando a cabeça e pedindo desculpas. Até que resolvi parar de ser bocó e de correr atrás, acordei pra vida nesse sentido, no de não dar mais moral pra quem tem esse ciúme exacerbado. E sim, é completamente revoltante, completamente injusto!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Note que o ciúme é uma via da mão dupla. Tem que "cortar as asinhas" de cara. A tendência do ciumento é repetir sempre o mesmo padrão. Na maioria das vezes, a vida inteira. O problema normalmente está fora da relação. O ciumento apenas o insere...

      Excluir
  2. Gosto bastante dos seus textos HP.
    E o livro? rsrs

    É tenso!
    Tem uma amiga minha, que tem o prazer de entrar
    no facebook do namorado para ficar lendo as mensagens.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, o quão doente é isso? O quão mórbido é isso? Responsabilidade do namorado que permite também. É ou não é?

      1abç.

      Excluir
  3. Ótimo texto! Concordo com cada palavra!
    Mandou bem, HP.. Adoro ganhar experiências lendo seus textos! Bjus

    ResponderExcluir
  4. Concordo com tudo!! Otima essa postagem :) Parabéns !Será que só eu li imaginando a voz do HP ? rsrs

    ResponderExcluir
  5. Sou bem mais novo que você mas me identifiquei bastante com o fato de ser julgado ''frio'' por não demonstrar ciúmes. Além disso tudo também vejo o ciúmes como uma fraqueza. Se você quer a pessoa só pra si a ponto de sufocá-la em uma relação de infelicidade, é porque no fundo no fundo, VOCÊ sabe o quão ruim é para ela, e que a partir do momento que ela achar alguém que lhe faça bem, vai sair correndo dali.

    Vou compartilhar o texto na esperança de algumas pessoas caírem na real! ;) hahaha

    ResponderExcluir
  6. Engraçado que estive procurando textos sobre ciúmes, e só consegui encontrar mensagens positivas sobre este sentimento, que por coincidência, repudio! E tenho que adicionar, que ciúme existe em qualquer tipo de relacionamento. Entre pais e filhos, entre amigos, entre irmãos, donos e seus animais de estimação... Com certeza não é um sentimento (doença) que deve ser alimentado. Concordo, é uma doença devastadora! Não vejo nada saudável, e ciúme não é só insegurança, é puro egoísmo.

    ResponderExcluir
  7. Pensei que estava sozinha pensando assim, mas encontrei algo para me identificar. E é sobre todo tipo de relacionamento. Estou apta a acreditar que ciúme é sentimento de "almas ignorantes". Para mim, é egoísmo. Ilusão de achar que pode ser dono das pessoas, como se pessoas fossem "coisas".
    Ainda acham bonitinho!! Ensinam crianças... é doentio!!

    ResponderExcluir
  8. Concordo plenamente com sua opinião sobre! Sempre achei esse tal de ciúme um filho da puta destruidor de lares.
    Em seu suposto livro, seria legal se cada capítulo falasse sobre um assunto diferente.

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  9. A mais pura verdade!
    Já perdi a conta de gente me acusando de não gostar "em igual proporção" delas pelo simples fato de nunca demonstrar ciúmes. Nunca compreendi como um sentimento doente desses pode ter se tornado um parâmetro para um bom relacionamento, é absurdo!
    Não é frieza, é realismo. Quando uma coisa dessas começa, corto logo pela raiz: Ame-me ou deixe-me, mas se ficar não me venha encher o saco com "mimimis" infundados.
    Insegurança todos temos, somos humanos afinal, mas daí a transpor isso para o mundo real e ainda colocar a culpa nos outros?
    Quanto a patologia, vou te dizer honestamente que a maioria das pessoas que eu conheço que são ciumentas chiitas, traem frequentemente ou pelo menos já traíram e se afogam na culpa (a lá Raskolnikov, rs), projetar estes sentimentos no outro é uma consequência natural. Mas isso, claro, é só minha experiência pessoal.
    Agora, mudando completamente de assunto, ainda acompanhando Hannibal? Eu tô me corroendo de ansiedade aqui, como você disse no podcast do Dexter, a única coisa ruim sobre essa série é ter de esperar uma semana...
    Ah! ótimo texto, endosso o coro dos que clamam por um livro, um abço.

    ResponderExcluir
  10. Putz! que texto foda hein :D Tenho muito a aprender com você, estou tentando vestibular de Medicina, sei que a redação tem que ser top de linha.Leio muito, porque gosto e não por obrigação,tampouco qualquer coisa. Seus textos me ajudam muito HP,e espero um dia chegar a esse nível que você, não somente para ser aprovada no vestibular, e sim para a vida.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rs, obrigado Geyse. Exercite a a escrita assim como faz com a leitura. São processos conexos mas distintos. Quanto à vida, só resta vivê-la.

      1abç.

      Excluir
  11. Caramba, que texto perfeito! Conseguiu transpor em algumas linhas tudo o que penso! Adorei! :)

    ResponderExcluir
  12. Ciúme para mim só serve para você ver onde está teu limite de loucura com aquilo que não é teu. Só está contigo por escolha e por um determinado tempo.


    ResponderExcluir
  13. Ei garoto!! Muito pertinente o texto e muito real tbm! Não sou ciumenta, porém, vivi uma relação focada no ciúmes do meu parceiro e só depois de 4 anos (sim, 4 anos) consegui dar fim relação de dependência. Sim, dependência! Porque a pessoa que é ciumenta, sempre acaba se "arrependendo" e pedindo milhões de desculpas, e jura de "pé junto" que nunca mais vai fazer aquilo... Aí, você acredita, dá mais uma chance, acaba se sentindo culpado por ter desencadeado o ataque de ciúmes, mesmo não dando nenhum motivo para isso...

    Após o fim desse namoro, decidi que poderia morrer sozinha, mas que nunca mais me relacionaria com um cara ciumento. Hoje, estou com uma pessoa maravilhosa, há 7 anos! É uma relação saudável, companheira, amiga, construída a base da confiança e respeito, da liberdade de ir e vir, da liberdade de pensamento, de entender que seu namorado/marido não é sua propriedade e sim seu companheiro.

    O que mais ouço: "Como assim você DEIXA ele viajar sozinho?" ou, "Como seu namorado DEIXA vc fazer tal coisa sozinha?".
    Resposta: foda-se. Um viva aos casais "frios" que não sentem ciúmes e que se respeitam!!

    Abração prá vc! E obrigada por mais uma palavra nova: Estultice!
    Isa - LidoLendo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isa, trabalhei com direito de Família por quase uma década e me considero uma pessoa vivida. Posso te garantir que nunca vi ciúme trazer nada de bom. Não agrega nada. E me refiro a QUALQUER tipo de ciúme. Do ciúme "bonitinho" para uma patologia, a distância fica pequena, dependendo da situação.
      Fiz psicanálise durante 4 anos e uma coisa que não me esqueço é que um dia, conversando sobre assuntos que não possuiam relação com ciúmes(os casos de anorexia e bulimia), minha psicanalista, que era pica das galáxias, afirmou que após anos de prática e estudo, chegou à conclusão que o avarento e o ciumento são casos dificílimos de se tratar.
      Mas a verdade é que quando aceitamos uma relação assim, damos aval a esse comportamento, mesmo que indiretamente. Lembre sempre do que escrevi: assim como o depressivo "suga" o afeto do outro, o ciumento "suga" a felicidade do outro. O ciumento não pode ver o parceiro feliz, a não ser com ele, vez que entrega a responsabilidade de sua própria felicidade na mão do outro. E assim inventa ameaças constantes, para suprir sua patologia.

      1abç.

      Excluir
  14. Mandou bem HP, que texto excelente.
    Tem muita gente sem noção por ai que se ao menos lessem textos bons como esse e tomasse a ideia para si, compreendendo o quão errado é pensar que o ciúme é algo bom ou bonito, talvez não existissem tantos divórcios ou pessoas infelizes no mundo.

    ResponderExcluir
  15. Concordo com você, é um sentimento nojento, principalmente quando se está tentado lutar contra ele. O ponto de que o ciumento está tentado minar a própria relação por não se sentir bom o suficiente é dos melhores no texto, infelizmente a insegurança é um sentimento muito forte e cega, nem percebemos quanto o ciumes fica destrutivo. Quando o ciumes é muito grande as pessoas criam as evidencias bem a la Norman Bates mesmo!

    Sorte sua não ter de viver com ciumes, antes de começar a namorar realmente eu pensava que não padecia desse mal, ah meu amigo - como eu me senti então quando me veio aquilo pela primeira vez igual a uma marreta dentro da cabeça, eu já senti bastante ciumes, mas muito felizmente conseguia controlar na maioria das vezes, nunca tive brigas por causa disso, mas fui aprendendo a travar uma batalha comigo mesmo quando acontecia, foi ficando mais fácil, e menos frequente, me serviu para aprender a distinguir o real do imaginário. O bichinho vai sempre estar lá, mas agora já estou mais calejado para dar uma surra no desgraçado. (rs)

    Agora, uma questão fora do tema. No meu blogroll as atualização do blog de vocês não aprecem mais, como se não postassem coisas novas nunca, o que sera que ocorre ?

    Abraços.



    ResponderExcluir
  16. HP, adoro seus textos e espero que você escreva um livro logo!!
    Concordo contigo, ciúme é um ato que demonstra a insegurança das pessoas. Também não entendo como algumas pessoas conseguem achar isso "fofo", ou um gesto de que o parceiro se "preocupa com ele". É tão... tolo.

    Parabéns HP, continue assim! Adoro o blog e o canal, sou fã de vocês! :D

    ResponderExcluir
  17. Sempre tive em mente que ciumes é sinônimo de posse.
    Você sente ciumes por se achar Dona(o)de alguém. Quando começa a imaginar que pode perder esse alguém, você enlouquece.
    Ciumes para mim é a necessidade que as pessoas tem de controlar seu parceiro. Bem coisa de gente anormal mesmo,sem amor próprio.

    Parabéns pelo texto!

    ResponderExcluir
  18. Também já fui muito criticada por acreditar que o ciúme é algo sempre negativo e demonstração de insegurança.No entanto, uma vez já senti ciúmes de uma pessoa, mas tinha total sentido tanto que o relacionamento acabou. Eu senti um ciúme com fundamento e a sensação foi horrível, não quero mais sentir.Fico imaginando aquelas pessoas que sentem ciúmes imaginários daquilo que não existe. Auto tortura na certa. Tô fora =p

    ResponderExcluir
  19. Que maravilhoso! O último parágrafo foi a conclusão perfeita. Seus textos são uma inspiração gigantesca, HP!

    ResponderExcluir
  20. Que maravilhoso! O último parágrafo concluiu de maneira impactante tudo o que foi dito no texto. Você está certíssimo, numa relação cada um faz sua parte, se aquela pessoa não age da maneira que eu acredito correta, o que há de se fazer? Como você mesmo disse, isso é a vida.
    Seus textos são muito bem escritos! E esse vocabulário? Tento ler bastante pra ver se chego nele algum dia.

    ResponderExcluir
  21. Demais! Sou sua Fã HP!
    Acredito que pessoas ciumentas são pessoas que não sabem nada sobre o amor.

    ResponderExcluir

<< >>