Vlogs, Trolls , Stalkers e afins...(por Hpcharles)





Não sei qual é a parcela de pessoas que frequenta esse blog que são vloggers, bloggers ou desejam um dia ser. Para aqueles que já são, boa parte do que eu vou dizer nesse texto não será novidade. Será uma mera constatação.

Em primeiro lugar, dá trabalho. Como qualquer atividade em que se deseja fazer algo bem feito, há que se dedicar. O mínimo que seja. Bom, se você não quer fazer bem, basta ligar a câmera e falar qualquer bobagem, que tá valendo. Tem muita gente que faz isso e é feliz.

Mas se você quer passar conteúdo com um pouco mais de cuidado, opinião concatenada em fontes e, quem sabe, com um formato mais atraente...aí o bicho pega. É preciso investir não só intelectualmente como materialmente. Se seu vlog é sobre livros, há que se ter tempo para realmente lê-los. Sim, a Tati já disse isso em vídeo e infelizmente é uma verdade de meridiana clareza - tem gente que faz o vídeo e não leu. Se seu negócio é cinema, o mínimo do mínimo é ver o filme com um bom coeficiente de atenção e seriedade, o que não exclui a adicional leitura de literatura sobre o assunto.

Aprender a editar é uma coisa interessante. Não é preciso ser o Spielberg, mas é legal fazer uma “aberturinha”, fazer uma gracinha qualquer. Os vídeos ganham em leveza e o canal, bem ou mal, adquire mais identidade, mais tempero. Claro que se o conteúdo for ruim, a melhor das edições não salva. 

É preciso separar um tempinho para responder os comentários. Se você deseja feedback, tem que dar feedback. Com o crescimento do canal isso se torna cada vez mais difícil. De fora, eu vejo como está difícil para a Tati, que é uma vlogger que preza por isso, em responder e acompanhar os comentários. Nada mais natural quando a proporção de visualizações e inscrições cresce exponencialmente. É humanamente impossível, depois de um certo tempo, a não ser que se viva para tal atividade, dar resposta a todos.

Retorno financeiro não existe. A não ser para “Big Shots” do tipo Cauê Moura, Felipe Neto ou qualquer coisa nesse parâmetro. Então quem pensa em entrar nessa pelo “milho”, pode desistir. A merreca dá para comprar um livro para sortear aos assinantes, pagar um MacDonald`s, ou em um mês ruim, comprar uma coxinha com suco de caju. Mais que isso é lucro. Essa coisa de vlogger ficar rico com Youtube é lenda urbana. Está no mesmo quilate de achar que beber Coca com Mentos mata. Quem dúvida que pegue os valores do Ad Sense e faça as contas.

Bom, isso só para começar. Não abordei qualidade de câmera, áudio, computador e outras “cositas” onde, com o tempo, você vai sentir necessidade de investir. Perceba, você pode criar seu canal com uma Tekpix. Ou apenas fazer um canal com edição de imagens e voz. Sem problemas. Mas até nisso chega uma hora em que aparece aquela vontade de dar o recado com mais firula ou mais profissionalismo. Absolutamente natural. É normal querer proporcionar mais conforto para quem assiste.

Viram como não é tão fácil? Mas não para por aí. Imagine que você sucumbiu ao desejo de fazer todo esse investimento. Doar seu tempo e dinheiro às expensas de outras coisas que você poderia estar fazendo. Tudo isso porque acredita piamente que existe um recado a ser dado, seja lá qual for. Você vai fazer isso na paz de G-zuis? Claro que não. Existem trolls à espreita. E eles tem fome.

O troll é uma figura tão imbecil quanto comum. Todo canal que se preza tem que aprender a conviver com tal espécie. Apesar dos comentários variarem, no fim das contas é tudo a mesma coisa. Gente com muito tempo nas mãos e pouca coisa para dizer. Mudam as moscas mas a merda é a mesma. 

É ridículo. O cara faz um vídeo de vinte minutos e tem nego que reclama insistentemente que ele disse uma expressão em outro idioma que não o português, ou fica se esperneando que foi passada uma informação entre trocentas, que é equivocada ou discutível. Tem gente que reclama que a pronúncia não é a mesma que o "professô" ensinou. Tem gente que reclama do áudio como se não houvesse um botão de volume ou fones de ouvido. Tem gente que reconhece que o mundo não é perfeito mas pensa que o vídeo tem que ser. Tem gente que entra e deixa apenas um “PQP”. Tem gente que deixa um imbecil comentário de que não viu o vídeo porque é longo ou larga o inteligentíssimo “TLDR”(no caso de blogs). Ora, se não viu ou não leu, não comente porra. Precisa avisar que não leu? É memorando da empresa, por acaso?

Tem outros que entram, xingam ou fazem um comentário alienígena que não possui a menor relação com o vídeo em si e somem. Tem trolls que são tão trolls, que são fakes de outros trolls. Tem troll que acha que é crítico, quando de fato...é troll. Esse é o pior.

Tem os trolls fãs de sagas, que param até de ver malhação para ofender quem criticou obras primas como Crepúsculo e Hunger Games. Tem os trolls analfabetos funcionais que “chingam” porque não foram à “iscola”. Tem os raivosos, que entram e dizem que é tudo culpa do comunismo, do PT, do demônio, da “mulher de branco”, mesmo que o vlog seja dedicado ao ensino da “Hula”. Respeito mais quem negativa, mesmo que só de implicância.  É estúpido, mas pelo menos não enche o saco, não dá "flood" no canal ou no blog.

Não é fácil, tem gente que se assusta e desiste. Mas com o tempo você aprende a lidar com os burricos. O vlogger tem que criar uma casca. Isso é condição “sine qua non” ao trampo, em qualquer ambiente que se labute na internet. Que o sujeito poderia aproveitar o ensejo, já que entrou no vídeo ou no blog, e aprender alguma coisa só para variar, me parece cristalino, é o que eu sempre penso. Mas isso sou eu. No entanto faz parte do negócio. Botou a barraca na feira, vai aparecer tomate podre.

But sometimes there`s a different breed of animal in this jungle. É o troll stalker. É amiguinhos. O troll stalker, gostou de te trollar. Provou o gosto de seu sangue e quer mais. “Ah Hp, isso não existe, você tá de sacanagem!”

Então tá. Vou matar a cobra e mostrar o pau. Caso verídico, ok? Tão verídico que tem até texto nesse blog, só para a criatura das profundezas do inferno. Quem duvidar que vá lá e confira.

Eu juro que aquilo eu nunca tinha visto. Mesmo com um puta background nessa seara, afinal meu canal é sobre ateísmo e tive que aprender rápido se quisesse sobreviver. Já estou mais do que acostumado a ser chamado de filho do demônio e ser avisado que o inferno me espera. É daí para pior. Mas vou contar...stalker em canal literário eu nunca tinha visto. E naquele nível, com aquela intensidade e pontualidade? Nunca me passou pela cabeça que existisse. Fuck! É preciso ser criativo. Odiar quem fala de livros? E esperem! Não foi um canal só, foram três. A biatch tava com a pomba gira. Yaaaaaaahhhhhuuhauahaua!!!!(sim, isso foi a risada dela).

A parada foi a seguinte. Sacam a Annie Wilkes de “Misery”? Pois é, foi nessa linha. Não sei porque cargas d`água, a doente mental foi ensimesmar logo com a “Santíssima Trindade” dos vlogs literários. Leia-se Tatiana Feltrin, Patrícia Pirota e Juliana Gervason. E olha, aquilo foi amor. Não foi de pica porque não dava para ser. Mas bateu e ficou. Não tinha um dia em que a desgraçada não deixasse um comentário histriônico, eivado de soberba e cinismo. Ofensas baratas, comentários inoportunos propalados por quem não fazia melhor. Aliás, é sempre assim. O troll, via de regra, não tem canal ou seu canal é muito ruim, com poucos ou nenhum inscrito, até porque masoquismo não é para todos. Mas o “triunvirato” lerá esse texto e lembrará, com absoluta certeza, da “desvairada da USP”. Bons momentos, não?

A menina perturbou, viu? Depois de bloqueada, criou contas fakes (facilmente desmascaradas, é claro), sendo que em uma delas usou o nome e a personalidade de um professor da faculdade. Corremos atrás e o cara, é claro, nem sabia de nada. Aí a personagem pulou da Annie Wilkes para o Norman Bates. Até o sexo mudou. Troll stalker pesado, possuído. Aquela menina não “tava pura” não, “tava acompanhada”. Ops...até deixei cair minha Valise no chão.

Brincava com a Tati na oportunidade, afirmando que ela queria tanto ser “miguxa” que, quando desprezada, se fechava em um sótão qualquer, onde colocava um vestido de tule bem de menininha (mesmo sendo bem adulta) e encarnava seu personagem. Aduzíamos que teria arranjado uma mesinha daquelas de criança, três bonecas (cada uma representando  as vloggers que lhe rejeitaram) e um respectivo jogo de chá minúsculo, daqueles de plástico, onde todas as tardes perpetuava sua insanidade, em longas conversas sobre Proust. Ela falava e respondia com vozes diferentes. Pensando bem, depois de passada a chateação, a guria até que nos proporcionou fartos risos. No que agradecemos prontamente. 

Isso é “water under the bridge” é lógico e a jovem manceba deve estar melhor. Não há nada que uma boa dose de Haldol com Fenergan não resolva. Mas nunca esqueço a história, porque acho loucura total. Ilustra bem até onde pode ir a cabeça de um troll, bem como serve de aviso para os que desejam entrar no mundo dos vlogs e blogs, por que não?

Por outro lado esse trabalho traz muitas recompensas, sem dúvidas. É terapêutico até certo ponto. Você faz alguns amigos. Nem tantos quanto pensa ou deseja. Mas no mundo de hoje, se fizer um apenas, já valeu. Manda sua mensagem, contribui com conteúdo diferenciado, pode chutar a bunda da mesmice que impera. Isso é importante “pacas”. Em um país de néscios, de gente carente por informação direta e com qualidade, desvinculada de interesses escusos ou viciada pela mídia alienadora, faz toda a diferença. Eu recomendo. Quanto mais gente que lê, que assiste a filmes legais, que ouve música com um mínimo de apuro, melhor. Mais dicas, mais opiniões, mais troca.

Ih pessoal...tenho que parar por aqui. Acabei de receber o comentário de mais um troll no canal. Não faz mal. Já vi que ele gosta de vôlei. Ele levanta, eu bloqueio. E a vida segue.

48 comentários:

  1. Um efeito colateral engraçado esse! Ainda estou muito no comecinho para passar por isso, então ainda estou tranquilo, mas acho até que vou gostar de ter o primeiro troll, algo como um marco ? rs...

    Vi um vídeo hoje mesmo no youtube no canal da garota It sobre esse tipo de ataque e parecidos. Melhor forma deve ser ignorar mesmo.

    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Opa, mas quando vc "perder a virgindade" vem aqui contar pra gente, sobre o seu trollzinho. Legal o seu ponto de vista sobre seu um "marco", rs.

      1 abç.

      Excluir
  2. Poxa, o Orkut é que era um lugar recheado de trolls. Bons tempos aqueles. Apesar de ser aconselhável não alimentar os trolls, sempre foi uma coisa tão irresistível. :T É risada garantida, oras. Como não alimentar as figuras só pra ver até que ponto a loucura delas vai? Fato é que essa coisa de trolls e haters sempre me deixou um pouco intrigada. Eu acreditava que com a idade, o amadurecimento, essa fase passava e trolls viravam pessoas normais que se envergonham muito do seu passado. Hoje eu já não tenho tanta certeza sobre isso...

    Enfim. Bom texto. Seus textos são um complemento muito interessante para o blog da Tatiana. Fiquei meio viciada e achei que já era hora de sair do escurinho e dar um feedback. :P

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ora Maria, fique à vontade para comentar. O prazer é nosso.

      1abç.

      Excluir
  3. Gostei de "para fazer algo bem feito, há que se dedicar". Consciência limpa não é só não fazer atos errôneos, é saber que você fez tudo aquilo que podia na forma que podia.

    Semana passada, fui "criticada" porque eu estou postando de muito coisas sobre LIVROS, autores e etc. E essas mesmas pessoas nunca leram um livro inteiro, ou compartilham coisas inúteis. Comecei a ignorar, sou mais eu "perdendo" meu tempo com conhecimento e cultura.

    (: Prosperidade à todos do canal. (yn)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Liga não Yasmin, o Brasil infelizmente é um país de analfabetos funcionais. Resultado de uma educação caótica, professores mal pagos e desprestigiados e uma política de educação capenga e vagabunda. Ler não dá moral no Brasil. E viva o BBB...

      1abç.

      Excluir
  4. Adorei o seu post.
    Eu tenho um blog a pouco tempo e felizmente eu ainda não tive que passar por nada disso. Mas acho um tanto ridículo, você pode não gostar de determinado conteúdo e pode também expressar sua opinião desde que de forma respeitosa; já é absurdamente patético ver pessoas que não leram/assistiram criticarem tal pessoa com ofensas e ainda usando comentários totalmente sem base.

    http://paginasnaestante.blogspot.com.br/
    @pginasnaestante

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha Alyne, vou ser sincero...já até escrevi sobre isso e acho que o pior nem é a ofensa, é a falta de argumento. Do jeito as coisas estão se me xingarem com "x" já fico satisfeito, rs. Não há base, não há interesse, não há lógica, mas trolls aparecem aos montes. Fazer o quê, né? Tem que aprender a conviver. Depois de algum tempo para de incomodar.

      1abç.

      Excluir
  5. Sensacional o texto ;} 'De Annie Wilkes para Norman Bates' *ri alto nessa hora*.
    Nossa, imagino o tanto de trolls que devem acompanhar canais mais conhecidos como o TLT, mas nunca pensei numa loucura dessas. Mas ingenuidade a minha, porque tem doido pra tudo nesse mundo, e começo a descobrir com a experiência que existem mais loucos que mentes sãs ;S

    Por essas e outras que sempre penso que não teria paciência alguma pra essas idiotices, mas admiro quem o faz. E que se divirtam com isso ao invés de se estressar ;}

    Meu pensamento sobre estar no lado leitor/telespectador/follower da coisa é, tem algo a acrescentar? Fale com educação, parabenize, elogie. Não tem o que dizer, fica calado e não enche o saco. Mas a falta do que fazer é maior que essas cabecinhas infames...

    Abraço o/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fala Rebeca! Pois é a história é verdadeira. Depois vc procura um texto aqui chamado o "que cabe numa Valise". Depois que escrevi a parada a maluca sumiu. Pegou a espaçonave e voltou para o planeta dela.

      Lá no Conexão é direto. O que dá de maluco não dá para numerar. E a gramática? Putz. Nem respondo, afinal não falo "analfabetês. Mas é duro, viu?

      Pois é, raramente negativo um vídeo. Tem que ser algo muito ruim mesmo, normalmente ligado a preconceito ou fanatismo. Tirando isso eu entendo que dá trabalho, que normalmente a pessoa tá fazendo de graça e apoio com um comentário ou um joinha. Nunca deixei um comentário negativo de forma gratuita. Simplesmente não entendo isso. Mas o que tem de gente mal amada por aí...

      De fato tenho incentivado sempre que posso, em comentários, a criação de canais ligados a música e cinema(acho que existe demanda). Por falar nisso, vc é séria candidata, né? Pelos seus comentários vc tem lenha para queimar. Estamos esperando o seu vlog, rs.

      1abç.

      Excluir
    2. Concordo plenamente, tb acho que nunca dei um negativo no vídeo de alguém, afinal se eu não gostei tem quem goste, faço apenas ignorar, não volto a ver, simples assim.

      Pois é...haha. Sabes que tenho pensando da possibilidade de um vlog há um tempão, até vídeos protótipos já fiz. Mas sempre tem algo me segurando, seja pelo lado 'trollador' da coisa, seja por falta de persistência. Enquanto isso, vou acompanhando os que posso e incentivado o trabalho bem feito de vocês ;}

      Falando assim, até me dá mais um empurrãozinho pra KEEP ON, fight ;}

      Té mais o>

      Excluir
    3. Vou cobrar essa parada, hein? Acho que se vc falar de música e cinema, saindo do lugar comum, terá publico cativo. Posso te dizer que o texto sobre Martyrs teve muitas visualizações. Quer dizer, há demanda para abordar filmes fora do óbvio. Para falar de blockbuster tem um monte.

      No que tange à música acho a mesma coisa. Fico caçando coisas novas e interessantes.

      Enfim, acho que o incentivo a propagação de conteúdo de qualidade é uma obrigação nossa. Se achar que a pessoa possui capacidade e conhecimento temos que incentivar. E outra, filosofar é ótimo, mas a vida Rebeca...é feita de ação. Vc tem bala na agulha. Faça seu blog sem medo.

      Bom, só tenho uma coisa a dizer: go for it!!!!!

      Excluir
    4. Essa ano sai! Eu acho... hehe. Eu sou dessas que sempre acha que tenho mais é que ler e aprender mais coisas, antes de meter a cara à tapa pra falar besteira. Mas, c'est la vie!

      E obrigada pela força, me sinto uma padawan ;B

      May the force be on your side o>

      Excluir
    5. Rebeca, não pensa muito não. Faz. Não é preciso grandes malabarismos ou investimentos. O começo é mais complicado pela inibição e insegurança, mas tudo é superável. Eu não sabia nem por onde começar no Imovie e no Final Cut, mas dei meu jeito. Enrolei um tempão para fazer um canal para mostrar algumas músicas despretensiosas. Foi só perda de tempo, deveria ter feito antes. Vida é ação. Já percebi que vc possui conteúdo para dividir. Possui referências, conhecimento e bom português. Deve dividir com os outros. Tem gente com carência disso. Falta o quê? Liga a câmera, pega a pena e "senta a pua".
      Vc vai curtir, eu aposto.

      See ya...

      Excluir
  6. kkkkk ri na parte que fala dos trolls. Infelizmente é assim né, sempre vai existir pessoas desocupadas, que se incomodam demais com o que as outras pessoas fazem. No fundo acho que é incapacidade de fazer alguma coisa, alguma coisa até fazem, só não fazem algo que preste. Adoro seus textos. Acompanho aqui desde que você começou. Parabéns, ainda quero um livro seu hein rsrs. Fica na Paz.

    ResponderExcluir
  7. Olha, já tive vários blogs ao longo dessa minha vida, excluí por falta de tempo, ou simplesmente os abandonei à esmo, até que toda audiência se esvaiu...
    Ces't la vie, você está certo, dá um trabalho dos infernos! Demanda tempo, energia, criatividade e uma paciência da qual nem sempre dispomos. Mas não sei, algo dentro de mim ainda não desistiu da ideia de ter (e manter! A parte mais difícil...) um blog com conteúdo e qualidade. Esse teu texto faz meus dedos formigarem por começar tudo de novo...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. C`mon Danika, vamos lá. Se vc tem algo a dizer, deve dar o recado, né?

      Não desista, precisamos de conteúdo nesse país...

      1abç.

      Excluir
  8. Olá,

    Tenho blog, e acompanho muitos outros, assim como canais do Youtube. Adoro o canal da Tatiana, é um conteúdo que realmente faz diferença (na minha vida). Nem sempre deixo comentários. Nem sempre concordo. Minha postura é: se gosto, comento algo pertinente, senão, fecho a página e vou lá ser feliz. :D

    Mas claro que não se pode esperar isso de todos. Existem os trolls, existem os chatos, os que não sabem dar opinião, os psicopatas.. tem de tudo.

    E já sabendo disso, não entendo como ainda damos tanta importância para esse tipo de gente. Digo: como nos chateamos com comentários que sabemos que não acrescentam em nada, para ambas as partes?

    Faço esse comentário pois pelo menos metade dos blogs que acompanho fazem esse mesmo tipo de reclamação/observação. Pelo que leio, parece que realmente perdem um tempo ou tentando entender o troll, ou querendo apenas detoná-lo, pois a raiva é tanta... Mas veja, esse tipo de comentário realmente importa? É realmente relevante? Não seria mais fácil ignorá-lo?

    Um dia tive uma discussão com uma pessoa muito insensata e sabe a melhor coisa que fiz? Foi simplesmente dizer: "Você está certa, parabéns. Tchau". E pronto. Perdi a "batalha", mas acredito que posso escolher as batalhas que quero lutar.

    Continuo achando que o melhor nessa "internet" é simplesmente ignorar o que não faz sentido e que não nos agrada. Não adianta ficar indignado, com raiva, perder noites de sono (não acho que esse seja seu caso, mas já vi muita gente se preocupando mais do que deveria com esse tipo de situação).

    E como diria o pessoal MRG, isso é apenas minha opinião fecal... :D

    []s
    Lívia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, a sua saída é a mais racional. Em um mundo perfeito ela funcionaria em 100% dos casos. Mas nem sempre isso é possível. Algumas vezes sim, outras não. Eu por exemplo não tenho sangue de barata(não é que vc tenha, rs) e se me pegar em um dia ruim, chuto a bunda mesmo. Em outras vezes apenas bloqueio e sigo a vida. As pessoas tem maneiras diferentes de lidar com os trolls. Mas o texto foi no sentido de falar um pouco deles para quem está começando. Nós mesmos já tiramos de letra em 95% dos casos. Já os stalkers merecem mais cuidado. Não se brinca com psicóticos.

      1 abç.

      Excluir
  9. A mina do vestido branco do sótão, deve ser parente do Motherfucker, O final do texto matou a pau brother, é nóis.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu irmão! Cara, vc lembra da "Mulher de Branco"? KKKK!!!! Isso era engraçado demais...

      Excluir
  10. Eu tenho blog e sei que da mesmo um bocado de trabalho, mas essa gente q só sabe criticar é quem não tem conteúdo o suficiente para crescer sem subir em cima dos outros. As amizades q fazemos com quem gosta do mesmo que gostamos são sempre muito boas!!! O texto ficou mto bom. Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu Lu, o negócio é produzir um conteúdo interessante, o resto é o resto...

      Excluir
  11. Boa tarde,

    Fiquei curioso: como se chama o post específico sobre a "desvairada da USP"?

    Atenciosamente,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. http://frappuccinomochabranco.blogspot.com.br/2012/05/o-que-cabe-em-uma-valise-por-hpcharles.html

      Excluir
  12. Em primeiro lugar meus parabéns pelo canal no youtube e pelo blog que vc tem , segundo lugar queria dizer que vc continue com esse seu trabalho maravilhoso que é o mundo dos livros . abs. Marcio

    ResponderExcluir
  13. Oi.... Nova fã! Adorei o blog que conheci através dos vídeos da Tatiana,adorei seu texto e estou lendo as postagens antigas também.

    ResponderExcluir
  14. Olá! Acompanho o canal da Tati há algum tempo. Adoro o jeito que ela transmite a notícia, faz parecer que é uma grande amiga. Comecei a pouco tempo acessar o blog e confesso que suas postagens também são muito interessantes.
    Fiquei rindo e imaginando essa louca garota que perseguia "A Divina Trindade dos vlogs". É bom ver que você e a Tati ainda tiram boas risadas dessas histórias, como diz a minha avó: ninguém perde tempo com algo que não as incomoda.
    Parabéns pelo vlog/blog e continuem ajudando a "internet" com conteúdo de qualidade.

    ResponderExcluir
  15. Pois é, eu vou começar a fazer um vlog literário também e já estou me preparando para os trolls.
    Eu não gostava de ler sabe, parava sempre quando ia começar aquela descrição dos personagens e cenários, porque convenhamos, essa parte do livro é chata, porém importante depois.
    Mais enfim, um dia fuçando no youtube achei o canal da Tati e dai foi um impulso para o mundo dos livros!
    Hoje sou apaixonado por ler e quero dividir minha opinião com os outros também, por isso vou fazer um vlog.
    E como entrei no mundo da literatura faz pouco tempo, não tenho uma opinião muito técnica, mas mesmo assim vou fazer, porque o país precisa de pessoas que se manifestem, que opinem não é mesmo? rs...O jeito é não ligar para os trolls né rs
    Enfim, gostei muito do post e sou o mais novo seguidor do blog o/

    ResponderExcluir
  16. Ei garoto! Vc esqueceu de citar o trolls pornográficos, muito comuns nos canais apresentados por mulheres! Olha, a primeira vez que recebi um comentário pornô eu pensei mas que porra é essa??? Mas hoje, já convivo bem com eles e me divirto horrores, por que não? O último comentário porno que recebi foi na resenha do livro "O Físico". O Troll falou que o personagem Rob J Cole tinha a "p*ca grande"!!!
    Eu mereço, viu? Ou melhor, Nós merecemos, né?! rsrs Bjo prá vc! Isa - LidoLendo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. KKKK! Eu tô ligado em seu canal. Vi o video de Hunger Games, com os "aborrecentes" marcando presença. Quanto aos trolls pornôs o que aconteceu com você é o que comumente chamo ataque dos "pedreiros virtuais". Felizmente esse tipo de troll não aparece lá no Conexão, é claro.
      Fazer o quê, né Isa? Life is a bitch...

      1 bj.

      Excluir
  17. se não fosse por um troll, talvez a tati nem teria conhecido meu canal hahaha
    Se bobear foi essa mesma mulher aí que chegou em um dos meus primeiros videos e falou "Você fala igual a Tatiana Feltrin, coisa feia pra um homem com barba na cara"
    Pra mim foi um elogio... :P

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. a prórpia, videl ;)
      (lembro que ela te falou que era pra você parar de dizer "enfim" pra nao parecer a idiota da Tati, rs...
      ah, bons tempos...rs

      ;)

      Excluir
  18. Eu quase que não consigo comentar de tanto que dei risada!!!
    O post ficou genial, HP! Parabéns! Você e Tati estão formando uma dupla imbatível nos textos! Dá gosto de ver!
    O mais legal dos seus textos é a mistura da erudição com a malandragem na linguagem. Muito bom mesmo!
    E adorei o "Santíssima trindade dos vlogs"! x)
    Abraço, fio! =)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu Patrícia! A mistura é oriunda da apreciação imoderada e sem vergonha por Nelson Rodrigues, Nietzsche e pelo velho Jack...Daniels.
      E vocês SÃO a Santíssima Trindade! Fazer o quê, né?

      Tudo nosso!

      Excluir
  19. Fiquei sabendo desse texto pela Patrícia Pirota, que recomendou o texto da Juliana Gervason que recomendou o seu texto. Parece telefone sem fio, eu sei, mas é verdade x)

    Geeente, como tem gente sem nada pra fazer de útil no mundo, né? Ficar metendo o bedelho no trabalho dos outros sem ter argumentos que sustentem as reclamações é muita folga!

    Eu tenho um humilde blog literário de alguns meses de idade, por isso nunca tive problemas com trolls (até porque, o fluxo de pessoas lendo o que escrevo ainda é pequeno). Imagino que se eu decidisse criar um vlog a coisa poderia ser diferente, afinal dá muito trabalho ler um texto de blog e fazer login só pra "trollar".

    Concordo completamente que essas lindas são a Santíssima Trindade dos Vlogs (e melhores do que a dita "verdadeira" trindade, hein?). Meus conhecimentos literários ampliaram muito por conta delas.

    Gostei demais do seu texto! Você escreve muito, muito bem e espero lê-lo mais vezes.

    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado MI. Sim, elas são bem melhores do que a Santíssima Trindade Original, pois são reais e difundem boa literatura, o que já é bem mais do que jamais foi feito pela estúpida trindade da Idade do Bronze.

      Que bom que curtiu o texto. Fique à vontade para voltar quando desejar.
      Grande abç.

      Excluir
  20. Muito bom seu texto. Eu estou começando a escrever na blogosfera e ainda não passei por isso. De qualquer forma, obrigada pelas dicas.

    ResponderExcluir
  21. Adorei o texto. Estou pensando em criar um canal literário e acho que já devo me preparar pra saber lidar com os trolls.
    E como eu ri da risada da guria da pomba gira! hahahahaha
    Abraços pra vocês!

    ResponderExcluir
  22. Cara pro troll deixar de encher o saco ,é só não responder ...ignorar...pq o troll quer a sua atenção.......o perseguidor muito mais se ele percebe que você dá isso a ele .....pronto ele vai te encher a vida toda,bloqueia e pronto ,pessoas ignorantes como o vulgo condellopeux que cria até usuário feminino falso ...deveriam ser ignoradas ou então levar um pouco do poema de o ''pigmeu e o elefante''kkkk

    ResponderExcluir

<< >>