Foco, Desejo e Necessidade (por Hpcharles)




Desde que me dou por gente, sempre gostei de coisas boas. Quando eu digo boas, I mean “reeeaally” good stuff. Muito cedo fui catapultado a um universo de uma certa sofisticação, inclusive estética.

Ainda bem novo já apreciava arte, moda, tecnologia, gastronomia e sempre quis viajar. Claro que existem aquelas predileções especialmente pessoais, idissiocráticas e que possuem arrimo em algo mais subjetivo, inconsciente talvez. Garotas de óculos, por exemplo. Nunca soube explicar bem esse fetiche, assim como minha fixação por mãos bonitas.

Se já gostava cedo, "desejava" cedo. O desejo me parece que começa com a visão ou com a antevisão do objeto. Viu, fodeu. Apesar de ter devorado o meu Freud logo quando comprei, não sou especialista, não tenho a menor competência para me aprofundar e abordar as patologias, como a obsessão. Mas que o desejo é um ambiente perigoso, escorregadio e tênue, isso é.

No entanto parece que com a pressão social, a mídia implacável e jovens que “experimentam a vida” cada vez mais cedo, certas coisas tem ficado esquecidas e, muitas vezes, ocorre uma confusão em nossas cabecinhas. Isso não é raro e muito menos absurdo, face ao mundo hodierno.

A distinção entre desejo e necessidade aparece em destaque nessa seara. Para não parecer o “pica das galáxias”, vou me colocar na berlinda e fazer o “mea culpa". Mesmo podendo me considerar um cara vivido, quantas vezes já caí nessa armadilha. Desde o consumo imbecil até o imperdoável sacrilégio de perder de minhas vistas, o prazer das "pequenas grandes" coisas da vida.

Já disseram que “as piores coisas o dinheiro não resolve e as melhores ele não compra”. É claro que isso não impende uma interpretação rígida. Quando se fica doente é importante o acesso a tratamento de qualidade. Para isso é preciso dinheiro. Comida não é de graça, moradia não cai do céu. Mas notem...isso não é desejo. É necessidade.

Sendo assim, a assertiva faz sentido. Quem curte o primeiro gole no chope gelado, um gol de seu time no último minuto ou finalmente assistir aquele filme que você tanto esperava, sabe a que me refiro. Isso custa pouco ou nada. Mágica pura.

Durante muito tempo eu esqueci tais coisas e não distingui mais essa dicotomia entre o que se precisa e o que se quer. Em minha adolescência, lia compulsivamente. De tudo. Dos clássicos ao papel que embrulhava o peixe. Depois o ritmo diminuiu consideravelmente. A literatura pendeu para o direito e era obrigatória. E tudo que é obrigatório, se torna entediante. Do entediante para o insuportável a viagem é curta. A consequência é que até meu hobby predileto, que era a leitura, agora precisa ser resgatado e isso é meio que deprimente, pelo menos para "moi".

O que é relevante dizer é que, por motivos estúpidos, comungados com a vida, que é uma “beeeaaaatch”, muitas vezes perdemos o foco. Depois para recuperar é um "parto de ostra".

Criamos expectativas exageradas, desejos impossíveis, ilusões irremediáveis. Dá para ficar muito doente com isso. E o pior, a solução muitas vezes estava ali...bem a seu lado. Era só puxar o volante um pouquinho que o carro entrava na vaga.

Darei um exemplo real mas omitirei os nomes e alguns detalhes para preservar a pessoa. Esse amigo sempre teve uma vida muito suada e, com muito custo, conseguiu comprar uma franquia de uma determinada conhecida empresa do ramo alimentício. Trabalhava muito com a esposa e encontrava seu tempinho para dedicar aos dois filhos.

Comprou um pequeno mas confortável apartamento, carro para ele e carro para ela. A vida melhorou. Pode colocar seus rebentos em um colégio melhor e, de vez em quando, se dar ao luxo de fazer uma viagem, comprar os “imprescindíveis” supérfluos ou qualquer outra extravagância boba. Life was good in paradise...

De comum acordo com a esposa decidiram que precisavam de um apartamento melhor. Carros melhores, mais de tudo. Fizeram seu “tour de force” e adquiriram uma segunda loja da franquia. Agora trabalhavam separados. Cada um em uma loja. Muitas horas. Nos feriados e fins de semana. Os filhos, é claro, precisavam compreender. Papai e mamãe só queriam o melhor para eles.

Tanto fizeram que compraram uma boa cobertura e carros luxuosos. Yeeeeayyy!!!! Mas algo aconteceu. A relação deu uma esfriada. Natural, né? Acontece com todos.

O tempo passa e o negócio vai bem. Mais exigências, maior investimento de tempo e de dinheiro se faz mister. O lazer fica totalmente relegado. Isso também era esperado. Já pensam em outra terceira loja, o negócio é expandir.

Corta para Hp sonhando. O telefone toca abruptamente no meio da noite e acordo sobressaltado, com vontade de matar um. Para quem odeia telefone (odeio pacas) e tem pais idosos, sabe como isso é foda.

Era o tal amigo. Ia se separar. Deixei o cara falar. Já aprendi, até por força do trabalho com o direito de família, que nessas horas o sujeito PRECISA contar a história triste. E ele estava triste, viu?

Para minha surpresa, o que disse foi totalmente distinto do que habitualmente ouvi como advogado ou sequer como ombro amigo em inúmeras oportunidades de minha vida. Ao invés de reclamar da esposa, do cotidiano, da puta que o pariu, optou por reclamar de si mesmo. Puxou a responsabilidade. Não para ser fodão, não para bater no peito e mostrar que era homem com H. Mas por absoluta clarividência.

Me perguntou então: “Para quê?”

E continuou: “sabe qual é o maior erro que podemos cometer na vida? Perder o foco."

Percebi de cara onde ele queria chegar. Daí para frente foi fácil. Basicamente se questionou sobre seus objetivos originais e fundamentais e como se perdeu deles.

“Me diga Hp? Honestamente? Eu precisava trocar de carro todo ano? Será que eu realmente precisava de uma cobertura? Fiquei sem realmente dar a meu filho mais velho, que hoje é distante de mim, a atenção devida. O irônico é que ele nunca me pediu um apartamento melhor, carros melhores, uma vida acima do que ele sempre teve. Meu casamento desmoronou, eu e minha esposa somos dois estranhos e a responsabilidade é apenas nossa. Se tivéssemos nos apegado ao que sempre planejamos para nossas vidas, acredito com boa dose de evidências, que isso não teria ocorrido. Agora até a relação com meus filhos preciso resgatar. Voltar a conhecê-los, pois cresceram e não presenciei, já não são os mesmos.”

“-Foco Hp! Perdi o foco...”

Guardei aquilo. Achei a análise do cara comovente e precisa. Não espalhou merda, não jogou a culpa no outro, não estava preocupado com quem iria ficar com o galheteiro. Apenas estava triste. Tinha motivos.

Padrão é ótimo, mas ao custo do afeto? Da presença? Essa discussão não é fácil e achar o equilíbrio é difícil “bagaraio”, porque existem muitos fatores a serem considerados. Mas uma coisa é fato. Desejo não é necessidade. Meu camarada aprendeu da maneira mais difícil essa importante lição.

Pensando bem, acho que esse trabalho ingrato de não perder o foco precisa ser aprendido, feito, renovado, todos os dias. Não há truques ou atalhos, mas se pudesse dar uma dica, diria para tentarmos separar realidade de ilusão. Me parece que daí para diferenciar desejo de necessidade, é um pulinho.

Ao fazermos isso, de quebra aprendemos que problemas reais são doença, desemprego, morte, coração partido. A luzinha do freio de mão acendendo estranhamente, não é um problema de fato. O risco no vidro do seu celular, também não. Aquele livro que você tanto queria e não pode comprar porque estourou o limite do cartão, muito menos. Essas coisas não são problemas, são ilusões de problemas.

Já vou me indo porque ando com uma vontade enorme de comer lagosta, beber um bom Shiraz, comprar mais uma guitarra e preciso ver onde essas coisas estão mais em conta. Bom, pensando bem todo mundo anda apertado ultimamente. Então hoje vai de pizza, cerveja e minha velha PRS mesmo.

Para quê mais? Tenho livros para ler, filmes para ver, músicas para ouvir. Tudo isso ao lado de uma mulher de óculos. Não foi isso o que sempre desejei desde o começo?

Foco Hp! Foco rapaz...

47 comentários:

  1. Eu realmente precisava disso.
    Eu realmente preciso me lembrar disso.
    Eu tbm me satisfaço com tão pouco, que para mim é mais que suficiente, mas vejo meus colegas de trabalho e outros com aqueles olhares e até ousadamente perguntam"vc ganha bem, pq não troca esse carro, não se muda pro casarão do seu noivo, faz um bom contrato nupcial e larga essa vida?"
    Mas essa vida é a que conheço, é a que me deixa no fim da tarde sentar no meio fio com um livro olhando crianças caindo de seus patins e rindo...
    Meu foco é ser feliz, mas estão me dizenso que só vou ser feliz se fizer meu doutorado, abrir minha clinica, largar meu emprego e claro, não ter filhos...
    Viu porque eu precisava ler isso?
    por Jana Tomaisimais

    ResponderExcluir
  2. Que bom que te fez bem Jana. Se posso dizer algo é: siga seu caminho. Pese suas necessidades e desejos e diferencie um do outro. Se vc está feliz assim, consegue se manter, está remansosa, então para que mais. Vivemos em uma sociedade onde a ambição é hipervalorizada. Tudo em excesso me parece um rumo ao desacerto. Alguns fazem recomendações porque pegaram um certo caminho e acham que só existe esse. Traçam metas para quem está ao lado, o que é intrusivo e pretensioso. Pergunte sempre o que VC quer. Ouça os outros, é claro, mas quem é importante para ti e quem vc tem confiança. Esqueça o resto...é só o resto.
    1 abç.

    ResponderExcluir
  3. Parabéns HP, belíssimo texto.
    abraços
    Melissa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Melissa, que bom que gostou. 1 abç.

      Excluir
  4. Adorei. Legal compartilhar isso. É bom para que não percamos o nosso foco também!

    ResponderExcluir
  5. Nossa que coisa mais linda... Ouvir essa parte "ao lado de uma mulher de óculos" foi um deleite a parte. Afinal que mulher que usa óculos (de grau) não gostaria de receber um elogio desses!!! Parabéns HP :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rs, valeu Ana Paula que bom que curtiu! 1 abç.

      Excluir
  6. Olá!!

    Adorei o texto... de coração!
    Confesso que ultimamente estava até precisando de um "empurrãozinho" para manter a linha. -rs

    Beijos,

    Samantha Monteiro
    Word In My Bag
    http://wordinmybag.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Excelente post! Foco é tudo nesta vida!

    ResponderExcluir
  8. É isso, Hp... Foco!
    Mais uma lição pra minha vida.. :)
    Adorei o post..

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rs, valeu Eduarda! Parece que tem muita gente dizendo que fez bem ler o texto. Isso é recompensador.
      1 abç.

      Excluir
  9. É o tal ditado, ( Curta a vida porque a vida é curta ) Pra tudo na vida precisa-se encontrar equilíbrio, Eu encontrei o meu, E vocês?

    Tu é fodão irmão, arrebentou no texto.

    ResponderExcluir
  10. Muito obrigado pelo texto, não poderia ter vindo em hora mais oportuna.
    Não sei o que dizer se não agradecê-lo e parabenizá-lo pelo texto e por todos os outros trabalhos desenvolvidos por você na internet. Sou seu novo fã rapaz!

    Muito obrigado pela generosidade.
    Saudações de Minas Gerais pra você!
    Abraço!
    Inté!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quê isso Cássio, disponha brother!
      Grande abç para você!

      Excluir
  11. Gostei.. sem foco a gente acaba se perdendo por aí.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é Camila, é interessante ter isso em mente. 1abç.

      Excluir
  12. Adoro seus textos HP...

    Sempre me fazem pensar muito e refletir muito....

    Adorei que agora você tb escreve para nós no Tiny Little things....

    Textos bons são sempre bem vindos....

    FOCO....FOCO.. FOCO E NUNCA PERDER MEU FOCO...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rs, é estamos aí contribuindo. Que legal que gosta dos textos. 1 grande abç.

      Excluir
  13. Que coisa mais linda, Hp!
    Muito obrigada!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rs, valeu Êmille! Estamos aí dando o nosso recado. Derrubou na área é penalty! 1abç.

      Excluir
  14. Seu raciocínio é a mais pura verdade, no fim das contas, com supérfluos ou não ainda somos feitos de carne e osso e precisamos de algo mais.
    Fico feliz por vc redescobrir seu foco!
    Acho q estou me tornando fã de seus textos!!!!
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu Lu, que bom que está gostando. Estamos aí...dando nosso recado.

      Excluir
  15. Sem querer usar este espaço como o divã do HP, rsrsr... mas confesso que passei a noite em claro tentando pensar a minha vida profissional, que só está começando. O que me deixou doente. E lá fui eu ligar para minha mãe e pedir sua opinião. O que fazer com minha vida depois de seis anos de batalha na universidade, entrando no mestrado e no bacharelado neste ano e precisando ganhar dinheiro para as necessidades. A resposta foi, espera minha filha! Não sei esperar, pq as contas não esperam. Mas compreendo o que minha mãe disse. Eles são pessoas simples mas investiram energias em mim, para que mesmo estando em outro estado eu nunca desista do meu foco, o que chamo de sonhos.
    Aí, me deparo com este texto maravilhoso e me senti melhor.
    HP e Tati, vcs são ótimos. Parabéns!!! ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eloisa, na vida precisamos fazer concessões em alguns momentos e por vezes tomaremos atitudes erradas e decisões equivocadas, mas penso que se vc traçou uma meta para sua vida, deve tentar segui-la até o limite do possível. O texto aduz à perda do objetivo precípuo em detrimento de outros secundários que podem trazer sérias consequências no futuro. Isso acontece porque tiramos os olhos do alvo...e aí erramos a pontaria.
      1abç.

      Excluir
  16. Acompanho o trabalho da Tati há tempos e agora estou adorando seguir também os seus textos :)

    Lembrando do seu post anterior (sobre o Papa), eu não consegui deixar de notar o seguinte: nenhuma crença, isoladamente, nos garante que nossa bússola moral funcione corretamente. Se fosse assim, as religiões seriam seguidas apenas por "santos". No fim das contas, aquilo que nos guia, nos dá foco, são nossos VALORES. É tudo aquilo que você realmente estima e julga indispensável. Quando você, HP, escreve um texto como esse, você apenas prova isso.

    Obrigada!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo inteiramente com você Gabriella. Apenas faço a ressalva que o religioso, via de regra, utiliza suas crenças como alavanca para suas ações e isso traz consequências. O mundo está coalhado de exemplos disso e a abissal maioria deles é trágico.

      1abç, que bom que está gostando dos textos.

      Excluir
  17. Ótimo texto, HP. Penso da mesma forma. Dinheiro é só um meio de pagar as contas imprescindíveis, os livros e as viagens. O resto é apenas o resto. Tenho certeza que um dia, quando estiver bem idoso e precisar de muito dinheiro para os tratamentos médicos, eu vou olhar para trás e pensar: "putz, por que não guardei dinheiro?". Mas aí vale a lógica beatnik de que se você viver em função dos bens materiais e de acordo com o roteiro formal (métro, boulot, dodo), não terá vivido; seria apenas um espectro vestido de terno e gravata.

    Um forte abraço para você e para a Tati.

    Fernando (Brasília-DF)

    ResponderExcluir
  18. É Fernando, acho que o ideal, quando possível é achar um equilíbrio tendo em mente o que é desejo e o que é necessidade. Outro abraço para vc e apareça sempre!

    ResponderExcluir
  19. Texto excelente, muito bom mesmo. Parabéns!

    ResponderExcluir
  20. Olha só!
    Conheci o vlog da Tatiana há pouco, e logo na minha primeira visita a este blog, me deparo com um texto desses! Não poderia ser mais oportuno, sabe?
    As vezes tenho um lado consumista/egoísta que é quase irrefreável, nunca almejei a riqueza por si só, mas a considero uma consequência natural de uma carreira bem sucedida, especialmente no meu caso ( aspirante a estilista). Ás vezes, manter o foco requer um esforço sobre-humano, não é?
    Que bom que sempre haverão amigos, familiares e claro, escritores como você pra nos chamar de volta à realidade e tornar nossa visão menos turva.
    Texto lindo, ajudou muito, obrigado.

    ResponderExcluir
  21. Respostas
    1. No Bronx, NY. KKKK! Brincadeira, fiz IBEU até o final, mas aprendi mesmo pq morei um tempo em NY, além de ter viajado bastante para os EUA. Fiz o que os professores chamam de "imersão". Uma pena que pelo local onde fiquei na primeira vez(quando desenvolvi de verdade o idioma), a pronúncia não era a mais correta, pois havia muita "realmente" muita influência do espanhol. Então fiquei com algumas perdas nesse "quesito". A Tati me dá uma "consertada" quando eu escorrego.

      1 abç

      Excluir
  22. Lindo texto HP!
    Obrigada por me ajudar a lembrar de que eu ando é mesmo precisando de foco. =)
    Abraço, companheiro!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu Patrícia, estamos aí para ajudar no que for possível. Não se cobre tanto, a vida é foda mesmo. Mas como diz o ditado, "nada como um dia após o outro com uma noite no meio".

      1abç.

      Excluir
  23. ótimo post! Sem respostas.
    Momento para parar e refletir nossas vidas.
    Compartilharei!

    ResponderExcluir
  24. Excelente texto Hp, tenho o mesmo pensamento que você sobre necessidade e desejo, e vejo que muitas pessoas se perdem nessa ilusão de "felicidade" que o consumismo traz. Não só o consumismo, mas o vício do trabalho, do querer mais e melhor a qualquer preço. E ainda chamam orgulhosamente isso de "sucesso". Parabéns pelo texto, elucidou um tema super atual e polêmico, rs.

    Abraços! :)
    Ju
    www.nuvemliteraria.com

    ResponderExcluir

<< >>