É de bom alvitre passar da orelha...(por Hpcharles)


Não faz muito tempo e ocorreu um bafafá aqui no blog e no Youtube, por conta de um pequeno post que a Tati colocou, aduzindo sua preferência pela tradução de Ulisses feita pelo Houaiss àquela do Caetano. Lembram?

Foi uma choradeira só. O próprio Caetano deu às caras e cortês, forneceu algumas explicações sobre a linha do tempo, aproveitando oportunamente para declarar seu apreço pelo trabalho do Sr. Antônio. 

Vejam bem, o próprio tradutor não ligou, não criou intrigas e nem se exaltou. Mas gente que nem leu o livro, o fez. E antes que perguntem, alguns admitiam realmente que não leram a estupenda obra de Joyce. Incrível isso. Não leram mas ficaram putos com a opinião de quem leu? Como assim?

É claro que esse assunto já foi esgotado e esse texto não é para falar sobre Ulisses, mas sim para consignar esse péssimo hábito que se manifesta cada vez mais. O que tem de gente que sequer leu o alfarrábio objeto da “discórdia”, mas dando pitaco, é uma beleza.

Como disse, não foi um caso isolado. Essa merda está acontecendo toda hora. Isso já aconteceu comigo no Youtube com a biografia de Hitler, do Joachim Fest. Coisa de dois anos atrás, tive uma discussão acalorada com um assinante de meu antigo canal, sobre o livro em tela. Após alguns dois dias trocando mensagens, percebi que a pessoa não tinha lido o livro, apesar de dar opiniões aguerridas, exaltadas, passionais.

Depois de ter cometido um deslize e ter ficado meio que encurralado, o “cara” admitiu que não tinha passado das primeiras páginas.  Ora, se não leu, de onde tirou tantas opiniões sobre o autor e sobre o livro? Do Google? Da Wikipédia? Da própria bunda?!

O foda é que isso acontece cada vez mais. O leitor de orelha está se institucionalizando. Aquele leitor que nem “testemunha” é, sacam?! Sim, porque testemunha é quem viu e não “quem ouviu dizer”.

Me respondam por obséquio: isso é vontade crua de opinar? De dar piti? De mostrar uma sapiência que não possuem(até porque não leram)? É porque acham legal quem lê? Help me out here, folks!!!

Sim, porque se acham que quem realmente leu não vai descobrir a mentira em determinado momento da contradita, não vai notar que tal embusteiro não passou do prefácio, podem tirar o cavalinho da chuva. E posso afirmar sem sombra de dúvidas...fica feio, viu?

Não há o menor demérito em não ter lido esta ou aquela obra. Ulisses então, é um livro que impende dedicação, não se discute. Mas para quê entrar em uma discussão sem ter lido por completo a obra. É para ser do contra? Necessidade de comentar? Carência? Quer ser “miguxo”?

Quando o assunto é religião, é impressionante. Eu sei que a Bíblia é um livro difícil de ser lido. Tem que ter saco e estômago. Mas para quê fazer asserções sobre o “livro mágico”, se você não o leu por completo? Se não entendeu suas nuances e o compreendeu como um todo, porque embater?

Não é mais produtivo, mais honesto, mais correto, sentar a bunda na cadeira e ler a porra do livro, para só depois dar opinião, vociferar ou até elogiar? Mas ler dá trabalho, né? Melhor acreditar no que o amigo (vizinho, pastor, Wikipédia, Google, televisão, revista Veja, a puta que o pariu) disse, né? Tá, mas e vocês...o que acharam? “Ah, para dizer a verdade, eu não li...mas o padeiro fez uma sinopse e disse que é ótimo”.

Porra gente! Por favor! Minha mãe me ensinou, ainda quando criança, a só falar daquilo que eu conheço. Achei o conselho tão bom que guardo até hoje. Opinião é que nem bunda, todo mundo tem, mas quando encontro alguém que, de fato leu e conhece o assunto mais do que eu, fecho minha boca. É melhor para mim. Deveria ser melhor para todos, não?

Então combinemos o seguinte: todas as vezes em que formos dar nossos palpites sobre uma obra, leiamos antes a maldita, certo? Esse negócio de adivinhar, se apropriar da opinião alheia, fingir que leu, não é legal. Não mesmo.

Peça a opinião, leia críticas se tiver dúvidas se aquele livro serve para você, se o assunto te interessa e tal. Mas antes de criticar quem leu, LEIA TAMBÉM PORRA!

Como disse no início, a Tati já tinha matado essa charada bem antes, pois como tem um vlog direcionado majoritariamente à literatura, sofre mais com os leitores de rodapé. Mas isso está se tornando endêmico, e o pior...ridículo.

Fiquemos assim: você lê e comenta. E comenta da forma que quiser. Com paixão, agressividade ou “ternura”, polidamente ou de forma pouco educada, isso é incidental e menos relevante, no final das contas. Mas, pelo amor do Saci e da Cuca...leia antes de postar. Poupa tempo, desgaste e te livra de passar uma puta vergonha. Amém?!

Religiosos, por que vocês são tão especiais? (por Hpcharles)

Neste mesmo momento existe um muçulmano em sua mesquita. Ao acordar ele fez suas abluções diárias, se posiciona em direção a meca e agora se prostra em adoração a seu deus. Seu livro sagrado afirma que seu procedimento é o correto e que seu dogma é indiscutível.

Mesmo em seus piores dias, ele guarda o seu tempo para orações e para estudar o Corão. Seus ensinamentos aduzem, sem sombras de dúvidas, que Cristo não era o filho de deus e que, quem assim o considerar, será punido por isso.

Do outro lado do mundo, um cristão se ajoelha no átrio de seu templo em adoração a Jeová. Assim como o outro religioso, ele também obedece espartanamente os rituais e ordenamentos de seu livro de inspiração divina. Separa seu dízimo, se confessa, jejua, bebe do sangue e come do pão abençoado aos domingos. Ele também acredita de forma fidedigna que isso é o melhor a se fazer. Afirma que tal postura é seu norte e deve ser sua maior ambição nesta vida.

Já repararam que existe um problema aí? E esse problema é intransponível. Ou um está certo ou não está. Ou Cristo era o filho de deus ou não era. Se um está certo, o outro está errado. A pergunta é simples, mas a resposta nem tanto. Pelo menos para quem não é religioso.

Notem que nem o cristão e nem o muçulmano se preocupam se o outro pode estar certo, vez que ambos SABEM possuir a verdade. SIM, o religioso afirma ter a CERTEZA DE QUE ESTÁ CERTO. Isso faz parte de seu dogma. A dúvida não é desculpável. Não há virtude na dúvida. Aqui, a dúvida se supre com a fé e não com evidências. Quanto mais fé, mais virtude e mais certeza. Mas a pergunta sem resposta ainda continua lá.

Entretanto, existe uma questão ainda maior. A crença não é monstro no sótão. O cerne do problema é que o religioso usa sua crença como catapulta, como alavanca para seu atos. Seus livros ensinam que seus credos devem ser espalhados epidemicamente, doutrinados em crianças, esposados como verdade indiscriminada e inexorável.

Ambos os livros, apesar de contraditórios, aduzem que só existe uma verdade, e que tal verdade está acima de qualquer julgamento e de qualquer lógica. Tais alfarrábios, que foram redigidos em um tempo onde se acreditava que cuspir em feridas podia curá-las; por gente com conhecimento menor do que o de uma criança de 12 anos de hoje, não permite contestação. Nem a fundamentada. Existe o pretexto e a argumentação de que seus textos contém instruções transmitidas pelo criador e senhor supremo. E para eles isso deve ser suficiente.

Ambos os deuses, o muçulmano e o cristão, são invisíveis. Imóveis. Omissos. Vingativos. Oniscientes. Inescrutáveis. Ambos os deuses possuem crimes em suas costas, tragédias em seus espólios. Ambos os deuses te ordenam que creia, que engula sem àgua, que se ajoelhe. Ambos os deuses te comandam para que você se entregue e afirmam que resistir é inútil e perigoso.

Assim como a embalagem de cereal e o ovo de chocolate recheado, eles prometem prêmios secretos. Secretos pois nunca ninguém os viu. Não se conhece quem tenha descontado o cheque. Quanto mais consumo do produto, maior a possibilidade de se conseguir o prêmio eterno, em uma loteria divina onde a punição por não se acertar os 6 números é a tortura eterna.

Mas quem disse que o cristão se preocupa se o muçulmano achou um regramento mais inteligente? Quem seria tolo de apostar que o islâmico ficou sem dormir ou comer suas tâmaras, por conta da “Regra de Ouro”?  Isso não é relevante apesar da pergunta restar de pé, exigindo ser respondida e causando recorrentes perdas para a humanidade. A questão escarva, pronta para começar o ataque e destruir a tudo, tal qual um touro em uma loja de porcelana. E essa pergunta é: quem possui a verdade? Qual dogma realmente possui impressões oriundas do hálito celestial? Me diga você religioso. Isso não te preocupa? Ironicamente você ainda não se deu conta de que pode parar no inferno de outro deus?

Claro que existe uma outra possibilidade a ser considerada. E ela é espetacular. Lógica, razoável, gregária em sua essência, bela em sua simplicidade. Ela não te não te premia e não te condena. Desafiadora desde o nascituro, ela te pergunta: e se ambos estiverem errados?

Sim, considerem por um momento que deus não existe. Isso não faz mais sentido do que seu deus pessoal? Isso não te parece mais real do que seu amigo imaginário, do qual você se esquece quando se masturba? Aliás...olha...ele está vendo, hein? Teologicamente até seus sonhos podem condená-lo. Não se esqueça do “não desejarás a mulher do próximo”, seu onanista pecador? Não se esqueça que até “white lies” são suficientes para enviá-lo para o fogo eterno. Não se esqueça que o dogma prevê punições INFINITAS para crimes FINITOS. O quão injusto é isso?

Pois é, será tão difícil admitir que isso não faz sentido? Estamos em pleno século XXI! Se já era estúpido defender um ser sanguinário que nunca deus as caras há 2000 mil anos atrás, a situação não ficou melhor agora.

Será que já não houve tempo mais do que suficiente para o teísmo apresentar suas considerações? Os métodos de que dispomos hoje para a o amealho e avaliação de evidências não são confiáveis o bastante para separarmos o real do imaginário? Será que toda vez que ocorre um milagre ao redor do mundo, não há um bendito de um cético com um celular na mão para tirar uma foto? Ou será que milagres simplesmente não acontecem, vez que seriam alterações das leis da física? O que lhes parece mais razoável?

O fato é que, se deus existe, faz questão de não se apresentar. É fato também que, é militar no sentido de não se importar com a humanidade. Não resgata corpos no mar quando ocorrem naufrágios, não cura doenças, não diminui o desejo dos padres em sua paudurescência pedófila. Se algum corpo foi retirado do oceano, se a leucemia foi debelada, se o clérigo foi denunciado, isso não teve nada a ver com deus! Isso foi trabalho dos homens.

Mas se não são capazes de mostrarem a verdade do que afirmam, porque vocês religiosos, então se matam entre si? Porque seus livros são apresentados como se fossem o que existe de mais nobre e moral já escrito ao longo da história? Porque os comparam, os bradando ao ar, como se medissem o tamanho de seus próprios pênis?

Porque os usam para dizer que sua fé é maior e que sua mensagem é mais poderosa? Se não tem certeza, vez que não podem, porque o usam como desculpa para maltratar homossexuais, mutilar prepúcios e clitóris ao redor do mundo? Será que é injusto de minha parte perguntar por que, ainda nos dias de hoje, Jeová se preocupa mais com uma fimose do que com a fome na África?

Me desculpem, mas ao contrário de vocês, não tenho certeza. Admito isso. Acho apenas improvável. Aliás, muito improvável face a ausência de provas e a pobreza de evidências. Mas ao contrário da religião, que prega a o abandono da arrogância, eu, como ateu, afirmo que não tenho certeza. Não acredito nem por um segundo, mas não posso dizer que tenho “certeza”. Isso seria desonesto e para o ateu, a desonestidade intelectual simplesmente não pode ser aceita.

Lembremos que saber é diferente de crer e ressaltemos o que afirma Dan Baker, que, de forma cirúrgica, aduz que "o ateísmo não afirma que a inexistência de deus está provada, mas sim que a existência de deus não está provada". E que, em qualquer argumento, o ônus da prova está do lado daquele que faz a afirmação.

Toda essa discussão é importante, mas como sempre, o mais importante são as consequências. Sendo assim, torno a perguntar: religioso, você poderia me responder qual de vocês possui a verdade?

Depois de algum tempo refletindo sobre o assunto, cheguei à conclusão de que a verdade nunca foi importante nessa seara. Sim, é claro que cada religioso de cada credo gostaria de estar com a verdade. Mas o problema de vocês não é com a verdade. Nunca foi. O problema de vocês é com os FATOS!

A questão é simples, seus livros de cristalina antítese estão repletos de “verdades”, não é mesmo? A merda é que os fatos não ajudam essas verdades. Mas sério, isso não me incomoda. Podem até acreditar na mulher que prediz o futuro apertando os testículos de um bode. Isso é com vocês. O  problema começa quando essas verdades são impostas e disseminadas causando mal a outros seres humanos.

O que importa mesmo, é que ao longo dos séculos essas verdades de mentirinha, esse pó de pirlimpimpim, tem matado muita gente. Aviões são jogados contra prédios para se defender a verdade islâmica, crianças sofrem lavagem cerebral em nome da verdade cristã, apedrejamentos são praticados para honrar a verdade muçulmana e vacinas contra HPV são proibidas em nome das verdades evangélicas. Que interessam os fatos? A religião, ao longo dos séculos, nunca se importou com os fatos.

Mas pode ser que algum crente de plantão pergunte então: mas quais são os fatos? Vamos a eles! Os fatos são de que vocês não conseguem provar uma vírgula do que afirmam, mas matam uns aos outros de forma cíclica, rotineira e inevitável. Os fatos são que mais mortes se perpetuaram em nome de deus do que por qualquer outro motivo, e, mesmo assim, as evidências de suas verdades estão no nível de nitrato de polipeido.

Senão, vejamos: judeus matam muçulmanos na Palestina, muçulmanos matam cristãos na Nigéria, hindus matam muçulmanos na Cachemira. No Sri Lanka budistas matam tâmeis hinduístas, na Irlanda do Norte cristãos católicos matam cristãos protestantes. Posso continuar o dia inteiro. Enquanto isso a humanidade da voltas em um carrossel de tripas e sangue, onde a música circense é substituída pelo engatilhar do AK-47.

Já passou da hora de você religioso entender que seu problema não é com a verdade! Saiba que a verdade nunca perde em ser testada, em ser arguída, em ser comprovada. Não, a partir de agora, saiba que seu problema, amigo teísta, não será mais em ser cobrado sobre sua verdade. Te pedir responsabilidade sobre suas verdades seria errado da minha parte. Seu verdadeiro problema foi, é, e sempre será...com a mentira! Daqui para frente, lembre-se que de que a cada sessão de descarrego, a cada unção não atendida, a cada milagre não comprovado, a cada batina manchada de sêmen e vergonha, a cada homossexual espancado com a benção de levítico e deuteronômio, a cada mensagem mediúnica de revista Caras, a cada despacho não aceito pelo santo, a cada criança infibulada, a cada cápsula deflagrada e que atingir a cabeça de outro ser humano de fé como você, em nome de seu deus e de sua verdade, eu vou estar lá para te lembrar: esqueça as verdades, você tem problemas é com as mentiras.

Tradução: Cadê os livros do Dickens em português? (por Tatiana Feltrin)


                
                Essa semana furei minhas férias anunciadas no meu canal no youtube pra postar um vídeo sobre os livros de Charles Dickens que tinha lido em novembro bem como sua biografia.

                Um dos livros lidos e comentados, o Retratos Londrinos, foi editado em 2003 e está esgotado na editora há anos. Com sorte, ainda dá pra encontrar exemplares deste livros em lojas de bairro ou em sebos (quem ficou interessado em ler esse livro que é uma compilação dos primeiros textos do Dickens publicados em jornais de Londres, corra pra EstanteVirtual.com.br – ainda tem varios exemplares disponíveis.). Esse livro  está cheio de descrições de lugares, personagens e cenas quotidianas que transportam o leitor imediatamente para a Londres vitoriana, e, como disse no vídeo: sugiro a leitura destes textos fortemente a quem tem interesse em escrever suas próprias estórias ;)

                Mas o que me intriga é o fato de um livro tão bom como este não ter tido sua reedição em praticamente uma década. Ou mesmo outros livro de Dickens.

                Será que não há mercado para livros como estes?

                A editora Cia das Letras fez uma parceria com a Penguin e vem há alguns anos reeditando alguns desses clássicos vitorianos. Do Charles Dickens, pelo menos até agora, eles já publicaram a tradução de Great Expectations (Grandes Esperanças), numa edição simples, pobre, sem graça e sem ao menos orelhas... Mas o papel chamois está lá, o que é sempore bom.

                Este é o único livro de Dickens em catálogo e fácil de encontrar hoje em dia.

                Mas percebo, tanto pela minha vontade de ler Dickens como pelos meus amigos ou mesmo pelo feedback que recebo das pessoas em vídeos em que cito ou mostro os livros originais do autor, que... existe sim a procura! E essa procura tem levado as pessoas às bibliotecas municipais e aos sebos tradicionais onde ainda é possível encontrar edições da década de 60 (ou 70?) danificadas pela ação do tempo, pelo manuseio, e muitas vezes empoeiradas e esquecidas num canto escuro e solitário., e... tá, já deu pra entender ;)

                O que é fato é que Dickens, como boa parte de seus contemporâneos vitorianos, não é fácil de se traduzir.

                Uma peculiaridade da escrita dele são períodos enormes, devidamente pontuados, mas sem sinal de final à vista. Não dá pra comparar com os períodos enormes sem pontuação do Saramago, ou os períodos intermináveis do Joyce em seu fluxo de pensamento frenético. Ele simplesmente pegava fôlego, dizia o que tinha que dizer em 7, 8, 10 linhas e só então podemos respirar de novo. Isso está no texto escrito e se reflete também nas leituras de quem gravou seus audiobooks – dá pra perceber em alguns momentos o desespero do ator por um tiquinho de ar.  É claro que seus livros não são escritos assim do início ao fim, mas existem momentos desses ao longo de todas as obras. O próprio tradutor Marcello Rollemberg desta minha edição dos Retratos Londrinos diz em sua introdução que tentou na medida do possível respeitar essa característica do autor, mas que em alguns momentos teve de ““aportuguesar” os períodos, posto que não é nem comum nem eufônico em textos em portugues frases tão longas e sem muito espaço amplo para respiração. “

                Notei que ao criar esses “espaços para respiração” diminuindo os períodos intermináveis peculiartes ao autor, não houve perda de sentido para o leitor desatento. E notei isso ao ler alguns textos da edição traduzida enquanto ouvia ao audiobook do original, Sketches from Boz.

                Imagino que hoje em dia seja dificil para as editoras encontrarem tradutores de inglês-português que se atrevam a entrar em empreitadas como a de traduzir Dickens. O mercado para tradução de obras contemporaneas em inglês é abundante – e, cá pra nós, é muito mais fácil traduzir um texto contemporaneo do que um texto vitoriano.

                Ainda bem que o mesmo não acontece com os tradutores de outras línguas...

                Enquanto isso, tenhamos a boa vontade de procurar as obras desse autor incrível em seu original (dá pra comprar edições de bolso por menos de R$15,00), ou de procurar por edições antigas em português nos sebos ou nas charmosas e esquecidas bibliotecas públicas...

A ponta feia da Dutra (por Hpcharles)



Sempre achei imbecil a disputa adolescente que existe entre cariocas e paulistas, acerca de suas  respectivas cidades. Talvez ela seja oriunda ou tenha se acentuado com a rivalidade que existe no futebol, fato que remonta o começo do século passado e vai até os dias de hoje.

Isso pouco importa, porque é uma grandessíssima bobagem. Agora morando em São Paulo, terei que aprender a conviver com as diferenças de um estado para outro. Existe muita fábula no que concerne ao que é dito e propagado por desavisados. Gente que nunca foi ao RJ e gente que nunca pôs os pés em SP.

Mas o que será que há de verdade no meio de um assunto que, normalmente, é abordado com mais paixão do que razão? Resolvi elencar alguns pontos que são sempre aduzidos e, via de regra, se tornam motivos de piadinhas, discussões e ironias. Bom, se for com humor, tá valendo, não sejamos chatos.

Levem em consideração que o que escrevo abaixo, são meras “impressões” e não possuo estatísticas ou dados oficiais. Perdões adiantados por qualquer injustiça ou discrepância.

Here we go...

TRÂNSITO

Taí a coisa que mais me surpreendeu. No Rio, sempre ouvi que os paulistas moravam dentro dos carros. Que levavam “provisões”, mantimentos para chegar ao trabalho. Pode até ser, mas não sei se pelas obras pertinentes à chegada da Copa e Olimpíadas, o trânsito do Rio está muito pior.

E não me refiro apenas à cidade não. Sempre peguei mais retenção na chegada ao Rio do que à SP. Descontem os feriados, é claro. Muito mais gente saí de SP em direção às praias do que o contrário, por motivos óbvios.

Mas vamos deixar assim. O trânsito de SP é meio quilo de bosta. O do RJ atualmente, está um quilo inteiro. Foda...

TRANSPORTE PÚBLICO

Bom, aqui é covardia. E digo o motivo. O Metrô no RJ não existe. Nunca existiu. Atende uma parcela muitíssimo limitada da população. Nenhum carioca que se preze, nega isso.

Para quem é do RJ e visita à Cidade da Garoa, o Metrô de SP é uma mão na roda que simplesmente não existe na cidade maravilhosa. A menos que você more no Centro, Tijuca, Copacabana e mais alguns poucos lugares, o máximo que se consegue é baldeação com ônibus.

Lugares como a Barra, Recreio e a maior parte da Zona Sul, ficam insuportáveis por conta do excesso de veículos em contraste com a carência de transporte público, principalmente o ferroviário. 

Parece que isso vai mudar. Prefiro esperar para ver.

ALIMENTAÇÃO

Sou suspeito porque tenho pouca estrada em SP e ainda não comi em um lugar que possa dizer que foi ruim. Se come bem em SP, viu? Tem uma padaria chamada “Bela Paulista” que porra...vou te contar. Inferno na terra. Só de entrar a gente já engorda. Não vou dar o endereço, senão vocês irão até lá, morrerão em decorrência de glutonismo e a culpa será minha.

O RJ é legal também, mas diferente. Talvez pela proximidade com a praia, os hábitos sejam distintos e isso se reflita na alimentação. Notei poucas casas de sucos em SP, daquelas que vendem um açaí realmente bem feito, sabem?

Outro mito é o de que “pizza boa se come em SP”. Sim, comi pizzas excepcionais em SP, mas no RJ tem grandes pizzarias. Não precisa ir à SP para comer pizza, acredite.

Talvez seja precipitado afirmar, mas “parece” que SP leva uma pequena vantagem em opções para se comer bem, no que tange à quantidade de bons lugares para fazer “uma boquinha”. Eles são encontrados em profusão e com mais facilidade do que no RJ.

GEOGRAFIA E VISUAL

Aí, não dá. É como bater em bêbado. “São Paulo não tem horizontes”, simples assim. A saída do Rebouças para dar de cara com a Lagoa Rodrigo de Freitas, a enorme orla que enfeita boa parte da cidade, são espetaculares. Não existe paulista que negue isso. A entrada da Barra, a caminhada no Leblon, as Paineiras, possuem algo de inexplicável.

Aprendi a curtir a Av. Paulista. Mas não sou parâmetro, porque sou pouco afeto à natureza. Acho bonito à beça, mas não curto passeios por matas, trilhas e afins. Nem de praia eu gosto, que pecado. Então não senti muito. Mas para quem gosta, eu vou contar, viu? Será pedreira...

Tenho um conhecido que, após um certo tempo morando em SP, para onde foi por conta de trabalho, largou tudo e voltou. Disse não suportar mais as enormes distâncias para o mar.

Então fiquem sabendo, se a praia for fator preponderante em suas vidas, esqueçam SP, isso é de meridiana clareza.

PRODUTOS E SERVIÇOS

Quanto a isso, preciso de mais tempo. Sei que no RJ eles estão uma bosta. Em SP sempre achei com mais facilidade as coisas de que precisava. Vou dar um exemplo. A parte de equipamentos musicais. São Paulo dá de 10. Não existe comparação. E não é preciso ir muito longe. Peguem o Mercado Livre e vejam a quantidade de ofertas nessa área. O mercado me parece mais aquecido e acessível em vários setores. Nada que não se escute por aí, mas como disse, não tenho estatísticas para fornecer. Aqui é tudo no “olhômetro” e na sensibilidade.

Quanto à qualidade e educação no atendimento, não posso reclamar de nada em SP, mas é evidente que  terei problemas em algum momento. Como advogado(aposentado), eu sei disso por experiência.

“OS MANO E A RAPAZIADA”

Bom, aí as diferenças se acentuam muuuuuito. O paulista em geral é bem mais contido. Mais introspectivo, apressado, com humor e “passada” diferente. Não disse pior, notem. Disse diferente.

O carioca tem realmente a coisa da tal “malemolência”, sei lá. Como escrevi antes, ele certamente foi influenciado pela praia, desde sua infância. Isso tende a deixá-lo mais relaxado. Ele usa menos roupa, tem uma postura mais despojada.

Mas tirando o comezinho chamamento de carioca em tom capcioso e as inerentes “zoações” com meu sotaque, não tive problemas. E porque teria? Isso é coisa de quem leva tudo a sério e fica putinho com "tiração de onda", por mais inocente que seja. Brinco de volta e fica tudo em casa. Preconceito mesmo, ainda não experimentei. Por enquanto...

Tenho um amigo, o Thomazito, que me recebeu super bem e estou ansioso para tomar mais umas cervas (ou “brejas” se preferirem), com o “manolo”. Espero fazer outras amizades, pois como disse no início, essa rivalidade é uma coisa criada por apedeutas, para apedeutas.

CLIMA

Well...essa é a coisa que sempre me fez querer sair do RJ. Na Cidade Maravilhosa só temos dois climas: quente e quente pra caralho. Em SP eu peguei um friozinho e nossa...que falta isso fazia no RJ. Nada mais a ser dito. Terno e gravata em fevereiro, no Centro da cidade...never again, motherfuckers! You have to draw the line somewhere...

 SEGURANÇA PÚBLICA

“Aparentemente” as coisas deram uma boa melhorada no RJ. Isso se nota sobretudo, pela valorização de bairros e imóveis que antes se encontravam em estado de petição de miséria, consequência direta da melhora nos índices de criminalidade em diversas regiões.

Se isso irá perdurar ou melhorar mais, eu não sei. Claro que crimes e insegurança sempre ocorrerão em cidades grandes, mas que melhorou, melhorou. Já em SP, parece que todos os dias morrem 20. Essa guerra entre traficantes e policiais me lembra algo que aconteceu no RJ na época dos grandes traficantes e sequestros. Lembram disso? Assusta, viu? Agora que vou para SP, isso acontece? FUCK!

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Uma coisa que tenho de citar porque realmente me incomoda em SP: o ar! Tem dias que é difícil respirar. Para quem não está acostumado, isso faz diferença. Tem momentos em que as ladeiras são um obstáculo a se transpor.

De um modo geral, as cidades são muito diferentes. Dependendo de sua personalidade, uma tenderá a te agradar mais do que a outra no que tem para oferecer.

Se o seu negócio é vida urbana intensa, mais opções de lazer “indoor”, clima mais definido e o Metro faz diferença em sua vida, fique com SP. Se você é chegado numa praia, tem a tendência a gostar de contato com a natureza, esportes ao ar livre e curte andar de bermuda e sem camisa, fique no RJ. Claro que existem muitos outros motivos e fatores que podem pender para um ou para outro lado, mas tive que escolher alguns.

A grande verdade é que para mim, uma coisa fará muita falta e é insubstituível, com absoluta certeza. O FLAMENGO. Foda-se a praia, não vou lá mesmo. E vida que segue. Vou remansoso para “a ponta feia da Dutra”, como dizem no RJ. “Tá entendeiiiinndo, meu”?


<< >>