Sexo e Sashimi (por Hpcharles)



Me lembro bem da primeira vez em que fui comer comida japonesa. Um misto de curiosidade e apreensão residia em minha cabeça. Acho que é consenso que, para o ocidental, não é usual comer peixe cru. Não foi educado assim. Ainda mais no Brasil. Hoje em dia todo mundo come e posso dizer, sem medo de errar, que é minha comida preferida.

De qualquer maneira, o sabor e o “ritual” são sui generes. Existe um certo procedimento, uma certa ordem, que diferem do habitual. Guardanapo cozido e comida crua é estranho para nós tupiniquins. Mas, ainda assim, quis muito experimentar e pasmem...é minha primeira opção. Sempre!

Admito que são raros os casos que conheço em que pessoas gostam de primeira. Comigo mesmo não foi assim. Mas lá pela terceira ou quarta vez, já estava viciado. Freud dizia com propriedade que, o ser humano depois que desfruta de um prazer, jamais abdicará dele. Pode até não praticar a conduta, mas o desejo ficará ali, adormecido.

Imagine se fizesse biquinho e me negasse a ir até o bendito restaurante apenas porque achava estranho ou não sabia muito a respeito. Quanta diversão, quantos sabores teria perdido.

Acho que no sexo muita gente faz isso. Pelo mesmo motivo e mais alguns. Medo, desconhecimento, preconceito, religião e até preguiça. Isso é triste pra cacete. Vejo relações se esfacelando, escuto depoimentos lamentáveis de amigos, deslealdades imperdoáveis entre jovens casais por conta de se locupletarem, de se boicotarem em seus próprios ninhos. O festejado psicanalista José Ângelo Gaiarsa nos ensina de forma brilhante que o problema é que hoje em dia, entre a certeza do sofrer e a incerteza do prazer, optamos em ficar com o sofrimento, consignando a estúpida escolha do tipo, "tá uma merda, mas é uma merda segura".

Cheguei à conclusão de que boa parte das relações que terminam por causa de sexo, não ocorrem pelo sexo praticado, mas sim pelo sexo que NÃO foi perpetuado. Pelo desejo contido, pela intimidade não comungada, pelo prazer bobamente furtado.

Tenho a felicidade de ter amigos e amigas (um dia farei um texto sobre amizade entre homens e mulheres, é promessa) e as reclamações são sempre as mesmas. Recorrentes, passivas, de dedo de seta. A culpa normalmente é do outro. Será mesmo?

Talvez por ter sido criado com uma certa liberdade intelectual, não tenha tido problemas relevantes nessa seara, mas pelo que escuto, pareço ser exceção. Os relatos são de dar dó. Mulheres mal amadas, homens precoces. Frigidez e “paumolescência” a três por quatro. Lembro sempre de Nelson rodrigues, que em seu irônico conservadorismo afirmava que “a mulher ideal deve ser dama na mesa e puta na cama”. Porque não, né? Será que ele já vislumbrava a insuficiência sexual hodierna, tratada por moleques de dezoito anos na base do Viagra? Que peso carregam...

Escuto de homens, críticas contumazes sobre o desempenho de suas mulheres por exemplo, no quesito sexo oral. Mas quando pergunto se o problema é discutido abertamente, sem mi-mi-mi, a resposta é de que não se sentem à vontade, ou então pior, de que não falam sobre isso com a “esposa, noiva ou namorada”, as catapultando imediatamente para um trono de submissão, ao qual sequer foram consultadas.

Mas porra! Na moral! E você acha que o pênis vem com instruções? Se você não explica, não mostra o caminho, quer que ela adivinhe? Já sei, é melhor procurar uma profissional ou outra mulher para resolver “suas necessidades”. Tá e quem disse que sua parceira quer ficar no pedestal? O “bagulho” não vem com mapa não, filhão! Tem ensinar meeeesmo! Qual é o problema? Não se amam e tal? Então fala, cacete! São namorados mas não são amigos? Que loucura é essa?

Aliás, faço um parênteses aqui, porque penso ser pertinente ressaltar que, recomendo fortemente que duvidem muito desses “paladinos da moralidade e dos bons costumes”. Novamente me aproprio de Nelson quando vocifera: “não existem moralistas, apenas falsos moralistas”.  Desconfie desse pessoal que diz “a minha mulher não”, “a minha filha não”, “isso é coisa de vagabunda”. Por trás desse pensamento pequenos burgês, bunda suja, anos dourados wannabe, pode apostar que tem alguém passando a mão na bunda da Lurdinha.

Com as mulheres é a mesma ladainha: “ah, mas eu quero carinho, não é só penetração!” Ótimo, concordo plenamente! As mulheres ainda falam e tudo, mas o que enche o saco, pelo que ouço, é que levam duas horas discutindo o assunto. Chega logo para o “neandertalzinho” e diz: “queridão, isso aqui não é brinquedo não! Tem dona, ok? Não entra a hora em que quer, a catraca é seletiva!”. Seja direta, homem não curte DR. A mulher deve também, sem fazer disso uma guerra, explicar direitinho, porque de fato, por vezes, esquecemos que o afeto e a intimidade são fundamentais na relação. Mas não escolha o momento do jogo do Flamengo ou entre na frente da televisão na hora do videogame, senão é “pedala” na certa.

Mas a verdade é que ouço coisas terríveis do tipo: “ah cara, ela diz que tem nojo de sexo oral”! Porra, tem “nojo” de sexo oral? Tá e você está com ela porque mesmo?! É cartão vermelho na criança! Nojo é foda! Acho intransponível. Talvez ela se dê melhor com compras no shopping ou esteja na hora de tentar uma abordagem diferente, do tipo, homossexual, por exemplo. Vai que ela funciona melhor com algo que não seja fálico. Mas tem que RESOLVER A QUESTÃO, ao invés de enrolar durante meses ou anos, para depois dizer que estava insatisfeito.

Fato é que, quem está com você por vezes não percebe, mas é preciso discutir sexo com liberdade. Já ouvi gente que diz que ele (o sexo) não é importante e gente que acha fundamental. Penso que, pragmaticamente, podemos aduzir que, sexo só passa a ser importante quando ele está ruim ou péssimo, pois quando é bom, você mal lembra dele, a não ser é claro, pela vontade de fazê-lo. O que é ótimo!

Mas o que vale mesmo é que se converse sem protocolos sobre a questão. VERBALIZE! Nunca vi pudor melhorar a vida sexual de ninguém. Não conheço casos em que repressão gerou orgasmos mais intensos. Digam o que curtem, descubram seus limites, ultrapassem-nos. O sexo deve respeitar apenas a duas regras: ser adulto e consentido. O resto é de cada um e varia em função de mil motivos.

O que me deixa realmente puto é ver gente legal, jovem e bonita, desperdiçando amores, sendo canalha e fazendo desserviços ao outro e a si mesmo, porque não consegue falar. Não sabe se expressar. Gente que sofreu tanto com uma relação que nem parâmetro tem, e, passa indevidamente, a odiar o sexo em si, porque ele o remete ao sofrimento e não ao prazer. Maldita lavagem cerebral judaica cristã! Gente com receio de desenvolver e investir em relações duradouras porque tem medo da intimidade, quando é justamente a intimidade que separa o joio do trigo.

E por favor, não me entendam mal. Não estou aqui afirmando que tem que dormir de conchinha para ser bom. Acho que sexo com amor é melhor, mas esse papo de que sexo sem amor é ruim, é coisa de quem tá fazendo mal feito. Coisa de nego “borracha fraca” e menina “pepeca seca”.

Já repararam que tem gente que sequer consegue falar? Não pode dizer “buceta”, tem que ser “pixita”. Não pode dizer “me fode”, tem que ser “fazer amor”. Quê isso caramba?! Dá para ser mais ridículo?! O sexo é o momento de deixar o inconsciente aparecer, de fantasiar mesmo, de soltar o freio de mão! De ser feliz.

Já ouvi em pleno sexo 21, sandices do tipo: “A Bíblia não deixa”. Fuuuuucccckkkk!!!! Da vontade de gritar: “MORRE ENTÃO EXU SETE CORDAS!!!!!” Novamente: não venha dizer depois que foi boi, que agora tem que comprar um carro com teto solar e tal. Que foi trocado ou trocada. Dizer que o outro não presta, que te traiu. Por favor né? Vamos assumir a responsabilidade.

“Ah mas eu estou cansada”. Ouviu isso, diga de bate pronto: “posso fazer alguma coisa para você relaxar?” That`s the spirit! Quem disse que tem que fazer o Kama Sutra? Aonde está escrito que precisa ser ginasta romena? Uma punheta tá valendo. Uma chupadinha tá de bom tamanho. E acreditem...faz toda a diferença.

Se você acha que está tudo bem, tá maravilha, ótimo, mas toda relação progride, tem altos e baixos e é preciso que se entenda que o sexo também sofre com isso, que precisa ser renovado. E se engana redondamente quem acha que o sexo se renova na cama. Ele se renova na conversa, assim como a relação em si. O sexo dura alguma horas, uma noite talvez, mas a relação, quando há, ocupa o resto do dia. Ou você garanhão, acredita que comeu a mulher no motel? Não irmão, você praticou o ato no motel, mas comeu a mulher de verdade, foi no jantar. É isso mesmo! Foi na conversa, no ouvido.

Problemas sempre aparecerão, não resta a menor dúvida. É conta para pagar, é chefe filho da puta, é o cotidiano te dando tapa na cara. Apesar disso, ainda não inventaram nada melhor do que uma boa foda. Viu gente? Disse foda e ninguém morreu! A polícia não veio me buscar, Jesus não gritou lá de cima que está putinho.

Por obséquio, quem ficou horrorizado com o texto, foda-se! Literalmente: FODA-SE! Sacou o conselho? Tudo a ver não?! Pois é, mas tem um pessoal tão reprimido que, mesmo nos dias de hoje, nem masturbação pratica. Coisa, diga-se de passagem, que lá no tempo de Noé, já se fazia. Aliás, se tem um personagem que presta em todo o Velho Testamento, é Onã, que segundo o “Bom Livro”, "desperdiçou o seu esperma na terra". Ou seja, “tocou uma”, “fez o palhaço chorar”, “acariciou o golfinho”, “espancou o careca”.

Mas agora é sério. Não se fechem em seus conceitos. Escutem seus companheiros, tomem a iniciativa, perguntem se está bom. Não dói e é mais barato do que um advogado, trust me on this. Trabalhei durante mais de uma década com direito de família e posso dizer com segurança que, 90% das separações se dão por dinheiro ou...”surprise, surprise”, sexo!

Então para quem acha que pode ou deve melhorar em alguma coisa nessa tão polêmica questão, tente fazer diferente. Escolha um dia e quando chegar em casa, faça algo inesperado e voluntário para seu namorado. Até o ridículo vale. Qualquer coisa é melhor do que a mesmice. Mas faça o que fizer, faça com entrega, com dedicação, “pegue de jeito”. Trate ou faça de sua namorada, seu marido ou sua noiva, o seu melhor amigo(a) nesse caminho chamado “juntos”. Uma coisa não deve excluir a outra, isso é bobagem.

Se não for o momento e a coisa não estiver legal, não empurre para baixo do tapete, bote as cartas na mesa. Eu sei que é difícil demais, mas é melhor resolver do que não resolver. Lixo tem que ser posto para fora. Senão fede.

No entanto, se estiver tudo bem, saiba que pode melhorar. Sempre pode. Se ela está acostumada com jeito, faça com força. Se ela sempre gostou com força, faça com jeito. Quer saber?! Joga “pras cabeças” e dá uma com força e uma com jeito. Depois dorme de conchinha e não esquece de passar aqui para me agradecer, tá?

       Hpcharles

24 comentários:

  1. Excelênte! E o pior, de certo modo me fez abrir a cabeça para o "sexo". Ótimo tati!

    ResponderExcluir
  2. kkkkkkkkkkkkkkkk, ri mt com seu texto...que tá é cheio de verdades!!!

    ResponderExcluir
  3. DEMAIS! sério, esse texto mudou minha vida hahahahamandou muito bem!

    ResponderExcluir
  4. Oi,td bem?
    concordo com vc em quase tudo,sou evangelica,mas acho que entre o casal,o entendimento eh deles,nao existe erro em se atrair pelo outro nem agir e falar "sexualmente" com o parceiro,as pessoas tem a maior parte do tempo para serem educadas e cheia de nao-me-toque,na hora do vamo ver,tem q se soltar,investir,e largar de mao a vergonha como se alguem fosse xingar ela por trocar ralaçao sexual por foda,eh soh uma palavra mais xula digamos assim,porem,apesar de concordar nesses pontos,nao achei legal a mençao a Jesus,nao, ele nao esta na cruz e nao vai ficar putinho!!
    essa frase me ofende,pq acredito nele,soh gostaria de respeito,bj e gostaria que vc nao se sentisse ofendido pela minha opiniao,ateh mais

    ResponderExcluir
  5. Bom Nine Carvalho, eu lamento se vc ficou ofendida. Mas não retiro uma vírgula do que escrevi. Tenho certeza de que vc vai sobreviver a essa "ofensa". De fato isso é muito pouco perto do que eu tenho a dizer a respeito da sua religião.
    Uma religião que difunde o preconceito separando a humanidade entre dois grupos, os de dentro e os de fora. Uma religião que gera violência, prega a homofobia e combate o estudo de células tronco, por exemplo. Tecnologia com potencial de salvar milhares de pessoas.
    Para ser sincero, gostaria que Jesus tb se fodesse. Afinal, um sujeito que disse que "veio trazer a espada e não a paz", não pode ser grande coisa. Um ser mitológico que disse coisas como, "quem não permanece em mim é lançado fora, como a vara, e seca; tais varas são recolhidas, lançadas no fogo e queimadas" , para mim é um bunda suja.
    Mas não tem problema, se ele próprio ficou putinho, pode vir dizer na minha cara. Acho que ele não precisa que ninguém faça isso por ele, né? Em sua onisciência, ele deve saber onde me encontrar. Mas ou o puto é covarde ou não existe(o que é mais provável) e sei que ele não vem mesmo.
    Quanto a vc, lamento por ser evangélica, não tenho culpa disso. Espero que vc não se ofenda, afinal não é nada pessoal contra vc, apenas contra seu deus mimado, machista, homofóbico, racista, infanticida, genocida, filicida, pestilento, megalomaníaco, sadomasoquista, caprichoso e fanfarrão.
    E não, não me ofendi com a sua opinião, mas mesmo que tivesse, é seu direito manifestá-la. Assim como eu, a minha.

    1 bj pra vc tb e até mais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Li um livro muito interessante, chamado "Como ser Mulher", da Caitlin Moran. É uma mistura de biografia e "manifesto feminista" da jornalista inglesa. O livro aborda muitos tópicos relacionados a essa temática, incluindo, é claro, o machismo. Ao tentar descobrir se uma certa atitude foi ou não machista, Caitlin se utiliza de um princípio bem básico, que consiste na análise: isso foi uma brincadeira ou uma completa falta de educação?
      Bom, sei que não estou analisando uma possível atitude machista, mas acho que o princípio se aplica. Nesse caso, tenho que dizer que seu comentário em resposta à Nine Carvalho foi pura e simplesmente falta de educação.
      Não sou evangélica. Adorei seu texto e concordo que muitos dos praticantes dessa religião são SIM preconceituosos, intolerantes, homofóbicos, etc. Mas o mesmo se aplica aos católicos, espíritas, umbandistas, hindus e a qualquer outra religião que possa vir à mente. E aos ateus também. Na verdade, o mesmo pode se aplicar a qualquer um, independente de religião.
      Sou católica e meu círculo de amizades próximas inclui ateus, evangélicos, espíritas e agnósticos. Debatemos questões religiosas quase que diariamente. Apesar de discordarmos um do outro nessa e em tantas outras questões, adoramos trocar ideias e conhecer um pouco mais do "outro lado" ao qual não estamos acostumados. Vivemos muito bem juntos e crescemos a cada discussão, sempre exercendo uma coisa imprescindível: RESPEITO.
      É de seu total direito repudiar a religião evangélica ou qualquer outra. Porém, existem religiosos e religiosos, ateus e ateus... Não se trata de religião, mas sim de tolerância e respeito. É a falta desses dois ingredientes básicos que nos trouxe e traz tantas desgraças. Não generalize os fatos. Se não, o preconceituoso e intolerante vai ser você.

      Excluir
    2. Bom, leia o texto que escrevi sobre respeito ser automático. Absolutamente não respeito aquilo não ache que deva ser respeitado. Respeito se conquista, não vem de graça. E não não sou obrigado a tolerar nada que não julgue que não deva. O que nos trouxe tanta desgraça, ao contrário do que vc pensa, foi JUSTAMENTE o respeito automático e a tolerância indevida.
      Quanto ao comentário sobre o machismo, se vc entende que não houve, para que fez o preâmbulo ao comentário?
      Como disse antes, mantenho totalmente o que disse. Paciência se vc não concorda, seu total direito.

      Excluir
    3. Fiz o preâmbulo porque, como expliquei, acho que "o princípio se aplica".
      Não creio que devamos respeitar tudo automaticamente, mas sim lutar por nossos princípios e permitir que os outros sigam os seus sem os julgar de maneira diferente por isso.
      Não foi você mesmo que disse que a religião difunde o preconceito e nos separa em dois grupos? Só acho que você está fazendo o mesmo ao tratar uma pessoa com hostilidade e tentar enquadrá-la em um certo perfil pelo simples fato de ela partilhar de uma visão religiosa diferente da sua. Afinal, pelo pouco que sabemos, essa pessoa pode ser muito menos homofóbica, intolerante, machista, racista, caprichoso e fanfarrona do que eu ou você, independente de sua religião.
      Enfim, não espero que você mude sua opinião nem que concorde comigo. Afinal, somos 7 bilhões de pessoas nesse mundo. Esperar que todos compartilhem da mesma opinião é simplesmente estúpido. Então, se uns se tratam com respeito e outros não, como você mesmo disse, paciência.
      De qualquer forma, parabéns pelo blog, está muito legal.

      Excluir
    4. Bom, não vejo como se aplique, mas vá lá.
      Ué e eu julguei quem pessoalmente? Fiz um texto e citei Jesus. Ela disse que se sentiu ofendida pessoalmente. Não a ofendi pessoalmente, por acaso ela É Jesus? Não, né? Tem procuração dele? Me parece que não.
      Em segundo lugar, não a enquadrei em lugar nenhum e sim a religião dela. E antes que vc diga algo, para mim todas são a mesma merda. Trazem consequências ruins para sociedade. E provo isso!
      E no mais, a pessoa pode não possuir as características que citei, mas frequentemente os religiosos utilizam suas crenças como alavanca para suas ações e depois vem com o papo: "deus odeia o pecado mas ama o pecador". Lindo, né? Bom, a verdade é que me dirigi à religião dela e não a ela. Se ela participa disso, eu lamento, não tenho culpa. Não há nada pessoal ali.
      No que tange ao assunto "feminismo", vou te recomendar a leitura da Bíblia. Dá uma olhada lá e depois me diga como a mulher deve ser tratada, segundo o cristianismo. Depois vc volta aqui e me diga se eu devo ter respeito com aquilo.
      E por derradeiro digo mais, NÃO RESPEITE ideias ou pessoas automaticamente.
      1 abç para vc.

      Excluir
    5. Hp, esta frase não sai da minha cabeça... "Do alto de sua onisciência ele certamente saberá onde nos encontrar. Texto HpCharles" kkkkkkkkkkkkk Inicio do Fim hasuhauhsuah

      Excluir
  6. Oi, Tatiana! Adorei seu comentário sobre os 50 tons!!! Minha irma tem a trilogia. Comecei a ler a primeira mas desanimei e não passei nem do quarto capítulo!!! Vc é muito espirituosa!!!!

    ResponderExcluir
  7. Tatiana,
    tô vendo seus vídeos aki no youtube!! Acabei de ver o vídeo sobre aprender Inglês.

    Vc é ótima!!!

    ResponderExcluir
  8. Adoro ver seus videos no Youtube... são muito Bons!!! Parabéns.

    ResponderExcluir
  9. HPCharles disse tudo, como eu digo em pleno século XXI o mundo anda acanhado demais quando o assunto é o tal do vai e vem mais gostoso que existe.Fico besta de ver as pessoas arregalando os olhos todas as vezes que dizemos algo tão natural como a palavra Sexo.Enfim parabens pelo texto ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, é uma pena mesmo que ainda existam tantos tabus com relação ao sexo. Quem sabe um dia isso muda, né? 1 abç.

      Excluir
  10. kkkkkkkkkkkkk... esse texto deveria ter sido escrito e caído nas minhas mãos uns vinte anos atrás... mas tá valendo (vamos evoluindo). Abraços, Tati e HP Charles. Sucesso a todos nós.

    ResponderExcluir
  11. Puts! Vc é gênio! E o "debate" nos comentários sobre religião foi demais!!! Quero você para Presidente da República!!! URGENTE! Tati seria ótima como primeira dama! kkk... abçs

    ResponderExcluir

<< >>