The Jane Austen Book Club

Jane Austen escreveu 6 livros.
Neste livro, 6 personagens são responsáveis cada um por uma das obras da JA em um clube do livro: 5 mulheres excelentes, sendo Bernadette a mais velha, viúva 3 vezes, sem filhos, e meio hippie; Jocelyn solteirona, desconfiada, sofreu abuso quando jovenzita e hoje prefere os cáes - tem um canil; Syvia, recem-divorciada e portanto, deprimida, máe da Alegra, a mais novinha do grupo, lésbica e praticante de esportes radicais, e a Prudie, professora de francês que nunca foi pra França, intelectual e a mais chatinha do grupo, casada com um cara que prefere ficar em casa vendo futebol e jogando videogame e se apaixona por um aluno. O sexto elemento é um homem - o Grigg.

O Grigg é um cara jovem, bem sucedido que gosta de ficção científica mas que acaba conhecendo a Jocelyn e ela o convida pra participar do book club, na verdade pensando que ele poderia distrair a sylvia, a que acabou de se divorciar.

deu pra entender?

O que acontece é que esse grupo acaba se reunindo durante periodos de tormenta em suas vidas para se ajudarem mutuamente com a desculpa da leitura dos livros da Jane Austen, que todas elas adoram e de quem o Grigg nunca tinha ouvido falar.

Eu fui obrigada a comprar alguns livros da Jane austen por causa desse livro, mas ainda não tive a oportunidade ;)

mas o que interessa é que esse é um livro-mulherzinha delicioso!
e muito mais inteligente do que a média - e deve ser por isso que nunca foi traduzido pro portugues e nem lançado no Brasil (enquanto porcarias como Marian Keys demoram 2 semanas pra serem lançadas aqui... tsc...).

e tem um filme baseado nesse livro que é igualmente delicioso!
O clube de leitura de Jane Austen, que tem no elenco uma menina do Lost que eu esqueci o nome e a Maria Bello, bem fiel ao livro ;))


Você pode baixar esse filme via torretz, aqui.

Enjoy ;)

Crime e Castigo - Fiódor Dostoiévski

Raskolhnikov, um ex-estudante (teve que largar a faculdade, porque, né, não tinha dinheiro - Rússia no final do século 19 = lugarzinho miserável...) extremamente pobre e consciente de sua situação, inteligentíssimo e caridoso (dava tudo o que tinha pra ajudar os outros) resolve um belo dia matar uma vizinha da pensão, uma velha horrorosa em todos os sentidos que penhora objetos de valor, por que, né, vai até fazer um bem pra comunidade se matar a velha, e roubar todo o seu dinheiro. Está ele lá matando a velha a machadadas quando chega então a irmã da velha - aí a porca torce o rabo. Ele se vê alí naquela situação mal planejada, e durante o momento de lucidez em meio ao caos em que ele se encontra, resolve matar a irmã da velha, também. Pânico nas ruas de Londres, Rasko resolve pegar do apartamento da velha o que conseguir achar de valor (uma correntinha nojenta do pescoço da velha, um porta-níqueis que ele nem tem coragem de abrir pra ver o quanto tinha ali) e sai correndo. Enterra o produto do furto embaixo duma pedra num terreno baldio e volta pra casa se remoendo de um remorso que ele nunca admite sentir e a certeza de que o crime fora perfeito e que ninguém jamais descobriria nada.

O tempo passa, e o que se segue são inúmeras situações quotidianas como:
-  a volta do melhor amigo da faculdade, que ao ver o estado lastimável em que o amigo se encontra (à beira da loucura, delirante, febre o tempo todo, etc,etc...) resolve ficar por ali a ajudar o cara, mesmo o cara sendo muito arrogante, e dispensando a ajuda o tempo todo.

- o ex- funcionário público e agora bêbado que ele conhece num bar, conta sua história de vida tristíssima e raskolnikov passa a achar que precisa ajudar a familia do bêbado. Num dado momento o bebado morre, atropelado por uma carroça e a partir daí ele passa a tomar conta da família (viúva tuberculosa, filhos pequenos e mais uma filha prostituta do primeiro casamento do bebado por quem ele se apaixona mais tarde).

- a chegada inesperada da mae e da irmã para avisá-lo do casamento da irmã com um advogado que ele perdebe na hora não ser boa coisa  - ele faz de tudo pra que o advogado se afaste da irmã.

e enquanto isso, suspeitos sendo interrogados o tempo todos, chegam até a prender alguém pelo crime.

Apesar do sentimento de culpa que o corrói o tempo todo, ele não demonstra arrependimento - continua tendo certeza de que alguém precisava livrar o mundo da velha que ele passa a chamar de verme.

Ele conta o que fez pra prostituta filha do bêbado quando percebe que ela está apaixonada por ele numa tentativa de faze-la ver que ele é na verdade um monstro, mas isso não a afasta dele, pelo contrário.

a partir daí ele se convence de que precisa se entregar, pagar pelo que fez - se entrega à polícia e vai cumprir sua pena.

A sucessão de desgraças que compõem o livro, a tortura e o conflito interno do personagem principal, o castigo todo que na verdade não é a prisão mas sim os meses que a antecederam, toda a trma e mais os personagens que parecem palpáveis de tão humanos, me fazem ter vergonha pelos autores de hoje em dia. :/

O livro é dificil.

Os personagens tem  inúmeros apelidos (se pegarmos o personagem principal - o narrador se refere a ele como Raskolhnikov - a mãe como Rodion - a irmã, como Rodka - o melhor amigo como Rasko ou Rodka na maioria das vezes - outrsos de Rodion Romanovitch. - e isso acontece com todos os personagens. Pode ser um pouco confuso no inicio da leitura, mas a gente se acostuma.

Essa minha edição, de 1964, é uma tradução para o português a partir da tradução para o francês - como sabemos, os franceses gostam de dar uma floreada nas narrativas, mas acredito que isso só contribuiu para a beleza e o cuidado durante o storytelling.

eu tenho uma edição de 2005, traduzida direto do russo, mas ainda não li, vai ficar pro ano que vem.

MUITO AMOR!!

por que nem sempre...

quando será que Los Hermanos vão parar de ser banda chique que só abre pra banda chique ou que só participa de festival chique?

quero LH no Cine Vitória de novo...

:/

Sempre.

parece que finalmente...

feriado de 3 dias

porque no sábado ALGUÉM tem que trabalhar, senão o Brasil não vai pra frente, oras.

seriados, filmes, outback, leiturinhas, SWU, pessoas fofas... quaaaaase descansada.

quarta-feira trabalho de cão das 8 da manhã às 8 da noite, com direito a exame médico ocupacional
fora a lesson plan atrasada terminada antes de dormir.

quinta-feira, minha folga - e hoje estou me sentindo estranhamente descansada.
digo, estranhamente porque a pessoa não se sente descansada há, xô ver.... ah, faz tempo.

parece que finalmente tou preparada pra encarar o último bimestre ;)

isso sem contar que, yay!, esse fim de ano eu vou ter fééééériasssssssssss com muitos ssssssssss
depois de longos 2 anos, vou ter 30 dias de puro nadaprafazermaster 

ai,ai, de vez em quando a vida é boa....

;)

slogan do dia: tô di bôa.

Leituras atrasadas.

No começo de setembro eu percebi que eu só tinha lido 3 livros esse ano.

*pânico*

Eu não era assim.
Esse ano tá complicado, viu, vou lhes dizer.

Aí, em desespero total, peguei meu Crime & Castigo que estava pela metade e passei a carregá-lo no busão.
E vamos combinar que quem termina de Ler Crime & Castigo no busão pode terminar de ler qualquer coisa!

Bem, ânimo renovado com relação às leiturinhas, estou orgulhosa por comunicar queeeeeeeeeee -

Hoje é primeiro de Outubro e eu já terminei de ler 8 livros.

minha meta é, até 31/12 ter lido 24 livros - equivalentes a 2 livros por mes - o minimo aceitável para pessoas nerds como eu.

ainda tenho muitos livros que ainda nao li aqui em casa, e minha tia Alice não ajudou - um dos livros que eu li no começo do ano foi a biografia do Chico Xavier (e eu sempre mando os livros que eu termino de ler pra tia Alice) - e daí que ela acha que eu preciso ler mais livros espírita (mas, ahm, então, né, é só a biografia do cara, não é assim, um livro espírita per se, sá? )

Enfim, tia Alice mandou uma sacola de livros espiritas.

                                                   sacola enorme de livros espíritas


Tatiana e os livros espíritas.


Tudo começou quando eu nasci numa família meio católica e meio espírita ( dessas que frequentam centros espiritas bonitinhos de vez em quando, entram na fila de passe, e tudo o mais...).
Cresci ouvindo as histórias todas sobre reencarnação e etc.
Até aí, ok, acho muito mais legal ensinar pra criança que "olha, tá tudo bem, viu,  morreu não acaba tudo não, tá? mamáe e papai vao estar lá te esperando...", do que, morreu, tu vai ficar presa no caixão até o dia do juízo final.

Aí veio a habilidade de ler, e a pilha imensa de livros psicografados.

E aí vieram os Livros da Zíbia Gaspareto e sua ÚNICA e MESMA estória escrita de diversas formas diferentes com capas e títulos diferentes (tem sempre a história do senhor de escravos que era muito mal na ultima encarnação, espancava e maltratava os escravos, aí ele reencarna e vem como filho de alguma das escravas, paralítico, claro, pra pagar os pecados da encarnação anterior em que ele foi um fdp...)

Aí eu cansei dos livros espíritas.
tudo culpa da Zíbia.

Isso tudo e mais uma consciencia de que , mêo, não posso viver minha adolescencia me preocupando em ser boazinha o tempo todo só pra não nascer paralítica na proxima encarnação!

aí parei com o espiritismo.
parei com tudo na verdade, né.
e ainda não decidi o que vou fazer.

mas tá, tou lendo os librinhos novamente (minha tia teve o cuidado de não me mandar nada da Zíbia, só Chico), intercaladamente com librinhos escritos por pessoas de carne e osso.

oi, tudo bem?

comigo tá tudo bem, também.

mas meu teclado está me irritando.

No começo do ano fui obrigada a comprar um computador novo - o meu antiguinho morreu. Para todo o sempre.
Quando ele chegou, uns 2 meses marromenos depois do desastre seguido de encomenda (eu já estava me descabelando! como é que a pessoa moderna vive sem um computador em casa, me diz!?!?!), notei que faltavam algumas coisas básicas, do tipo, cabo pra conectar o monitor à CPU :/ - ainda bem que eu ainda não tinha doado o velhinho e usei o mesmo cabo do antigo. E o cabo da CPU pra tomada veio alienígena:

                                                                Leve-me ao seu lider.


Ok, o pai foi ao Carrefour e trouxe um adaptador e tudo ficou bem.
Brigada, pai!

Mas o teclado é irritante.

                                                    Teclado irritante.


Ele não é para brasileiros.
O que quero dizer com isso é que não tem Ç.
E todas as outras coisas que um teclado que não tem Ç não tem.
Aí você se pergunta: "Se não tem Ç, como é que você está teclando Ç?"
Porque eu sou esperta e fiquei muitas horas da minha vida fuçando no teclado pra achar atalhos que me permitissem encontrar o Ç.

Mas a ? se perdeu para sempre.
Pra conseguir uma ? eu preciso ficar a todo momento trocando a "lingua" do teclado pra English-British ( ou American, tanto faz, mas eu gosto mais de British English, então...)

em suma: eu não tenho Ç e meu teclado é irritante.


Bom dia ;)

cough, cough...

*passando o espanador*
<< >>