vamos todos morrer

eu devia estar preparando aula, mas ó, nem...

aí eu fico aqui, sentada nessa cadeira dura (que um dia foi fofa...), escrevendo besteiras, lendo coisas aleatórias, blogs, enchendo o saco das pessoas com SMSs, arrumando motivo besta pra fazer qualquer coisa, menos pegar meu bloco de post-its amarelão, meu lápis e meus livros.

eu sei o que eu tenho que fazer. é simples: é só ir alí e fazer, mas ahhhh... *desanimo*
tou cansada...

***

mas acabo de lembrar que se eu não me mexer agora, terei que acordar ainda mais cedo amanhã pra fazer o que eu devia ter feito, então, foi um prazer, hein?

meu last fm não funúncia

eu não ouço shins, elvis costelo, belle & sebastian e aquela outra coisa que eu nem lembro todo dia.

que é que há?

sair de casa de olho aberto: pra quê?

essa é a cara da cidadã brasileira que acorda de segunda à quinta às 4 e 10 da noite.


e que vê o sol nascer da janelinha do busão.

e que adquiriu o estranho hábito de tirar um cochilo no sofazinho da livraria cultura todos os dias no gordo horário do almoço (enquanto finge ler o Anarquistas, graças a deus, só pra tentar fazer de conta que não é tão esquisito assim... mas o livro é bom, vai vir morar aqui em casa assim que eu terminar minha pilha de livros por ler)

*qualquer dia desses vão achar que sou homeless e me expulsarão de lá, tou só vendo...*

ps: os postes de iluminação das ruas das imediações não estão funcionando desde o dia do grande dilúvio (oi, prefeitura de diadema? tudo bem? ).

kaiser chief

desce redondo.

(e eu errei a cerveja)

ouva.

sobre a falta de assunto

eu tenho medo da falta de assunto dos outros.

se tem uma coisa que a gente não controla é a lingua alheia.

(e a cara de pau alheia, também)

acontece que se você conta algo pra alguém "confiável", e implora mil vezes pra que o assunto morra ali mesmo, quem te garante que morreu, mesmo?

na primeira oportunidade que a/o confiável tiver de passar adiante o assunto morto, se o momento for de falta de assunto, pode ter certeza de que danou-se.

veja que se você quis contar algo de grande importância e pede sigilo pro ouvinte, o mínimo que a criatura deveria levar em consideração é que não se deve sair por aí contando pra qulaquer um, minha gente.

então POR QUÊ RAIOS vocês continuam dando com a língua nos dentes?

***

toda vez que alguém chega e me diz "olha, vou te contar uma coisa que fulano me contou, mas não conta pra ninguém não, tá?", eu mudo de assunto.

não quero saber.

se fosse pr'eu saber, fulano teria me contado.
simples, hu?

ô domingozinho de merda...

além de não ir ao show do Radiohead (não quero nem lembrar da abertura do los hermanos...), ter de me preparar psicologicamente pra ter minha aula observada às 10 da manhã (*me imaginando dormindo em pé durante a aula depois de não ter dormido e ficado em pé num show na noite anterior* - é, melhor não, me esforcei demais pra arrumar meu emprego...), minha mãe não estar em casa (casa sem mãe = casa sem comida), estar sem dinheiro pra fazer nada aleatório, minha tevê a cabo está com graça e o sinal vira e mexe tá caindo...

NET, meu bem, entenda que eu NECESSITO ser capaz de ver pelo menos a transmissão do show no Multishow...

colabore, sim?

:/

ps: por QUÊ o show do rio foi no sábado e o de são paulo tem que ser no domingo?
alguém pode me responder?
toda santa vez os shows do rio são sexta ou sábado e os de são paulo são aos domingos.
vá tomar no meio do CÚ (com acento) quem decide essas coisas.

English is Important

hahahahahahahhahahahaha...ai, ai...

Oi!

Meu nome é Lady Gaga.
Eu sou bem tosca.


Mas a minha música é legal*.
* eu disse "legal", e não "boa".
que fique bem claro.
(dá vontade de cantarolando o maldito refrão o dia inteiro...)

Fleet Foxes


ouve que é legal.

fuck! what the fuck are you doing, you fucker???!!

nova mainia de pessoa semi-normal que sou:
ver todos os dias antes de dormir pelo menos meia hora do "Burn after reading" (Queime depois de ler) dos Coen.

nessa de meia hora hoje, meia hora amanhã, já devo ter visto o filme umas 5 vezes seguidas.
é meu novo filme preferido.
tem as melhores frases.

o núcleo da academia (Brad Pitt, Frances Mcdormand e o Richard Jenkins) é muito bom. sem contar o Manolo...

- Manolo, you *didn't* find this
- I found it on the floor there.
- Yeah, I know. But...
- Right there on the floor there. Just lying there...
Adoro os esculhambos que o John Malcovich dá nos outros.
- I know you. You're the guy from the gym.
- I'm not here representing HardBodies.
- Oh, yes. I know very well what you represent. You represent the idiocy of today.

até George Clooney tá jóia.

tem que ver ;)


drops

eu tenho que abrir uma conta no HSBC.
mas eu já tenho uma conta lá.
só que tem que ser conta salário.
a minha é conta corrente normal.
(não chega a ser, assim, "normal", porque veja bem, está estouradaça, mas tá, okay, okay...)

agora me diga que diferença faz depositarem meu salário numa conta normal ou numa conta salário...
sou em quem vai pagar as taxas do banco, certo?
e eu já pago, certo?
porque eu JÁ sou correntista, certo?

hm.

***

Não fui fazer a inscrição na oficina de cinema.
nunca fiz, certo? e sempre participei, certo?
(se bem que, tava lembrando dum dia que cheguei super atrasadaça e o tiozinho da cadeira de rodas veio me receber com uma lista de presença nas mãos.
meu nome, claro, não estava na lista.
fiz a minha melhor cara de "como nããão???".
eu fiz a inscrição, sabe?...
(e meu nome foi parar no fim da lista e eu participei de todo o módulo ;)
vou pro inferno mesmo, tou ligada.

***

e não fui colar grau sexta feira!
ah, deu preguiça, sabe?
meu diploma tá lá, ninguém vai jogar fora, certo?
CERTO?...

***

STELAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA


Let us not forget:
Stella was a diver, and she was always down.

pagando mico no tuba

domingo, sabe como é...

;)

Oi!

Meu nome é Cary Grant.
sou um dos atores preferidos da Tati.

Atuei em filmes como "Tarde demais para esquecer", "Minha esposa preferida" (que depois seria refilmado com o título "something's gotta give" com a Marylin Monroe e nem chegou a ficar pronto...) e "Night and Day", no qual fiz o papel de Cole Porter.

Sou super legal principalmente por ter participado de vários filmes dirigidos por Alfred Hitchcock, como o "Suspeita", "Interlúdio", e um dos filmes preferidos de todos os tempos da Tati, o 'Intriga Internacional" (North by Northwest), que é um dos filmes mais excelentes de todos os tempos, sem dúvida.

O Ian Fleming, aquele cara que escrevia os contos do 007, criou o personagem pensando em mim, mas nunca participei de nenhum dos filmes baseados nos contos dele. Eu tinha mais o que fazer...

Ganhei um Oscar em 1970 pelo conjunto de minha obra - eu era bom pra caramba.
Se eu estivesse vivo, estaria já com 105 anos.

...go off and see a minister.

He'll try in vain to take away the pain of being a hopeless unbeliever.....


belle & sebastian = solução pros seus problemas

from hell

eu não fiz magistério no colégio.
fiz química - era bem mais legal.
eu não fiz pedagodia na faculdade.
fiz tradução & interpretação - era bem menos chato.
eu não tirei minha licenciatura - pra quê? pra dar mais dinheiro pra metodista?
então perceba que, não, eu não tenho background the "educadora".
mas as pessoas insistem em me dar turmas gigantes de kids, então tá bom, tia-tati-super-legal-ativar.

quando acaba a aula, eu estou um caco.
parece que fiz 2 horas de esteira na academia.
sempre tem 2 ou 3 kids from hell nessas turmas.
aí a gente avisa as mães - e elas se ofendem.
aquela história de "criar uma parceria com os pais quando os filhos dão trabalho extra na sala de aula", é realmente muito bonitinha - se os pais aceitassem que seus filhos são, sim, from hell.

hoje eu passei pela seguinte cena:

- seu filho é from hell. ele se joga no chão, cutuca os coleguinhas o tempo todo, diz que os colegas todos moram na favela (isso é pra xingar, sabe?), e que ele pode gritar o tempo todo na sala porque ele é o mais engraçado da turma. não me obedece. não me respeita.
- mas você tem quanto tempo de magistério?
- seis anos, senhora.
- pois é, eu tenho quareeeeenta! (TÃ-tã- tããããããã..........)
- er... a senhora tem alguma sugestão, já que tem tanta experiência na área?
- pode deixar que vou conversar com ele. (com cara de "esta noite encarnarei no seu cadáver" pra professora tonta que nem pode mais reclamar que é mal-paga pra passar por esse tipo de situação.

a-do-ro quando essas coisas acontecem...

qualquer dia saio correndo e me enfio numa faculdade de química...
será que ainda dá tempo?...

Por uma Vida menos Ordinária (A life less ordinary)

de passagem pela livraria cultura (só pra dar uma olhadinha...), me deparei com isto:
(dica de manu)
por dezenove dinheiros - fui obrigada.

tá.

aí que já faz tempo que muita gente me pergunta se eu vi esse filme, digo que não e a pessoa faz aquela cara de espanto com o 'Mas, COMO não???".

tá.

não, não tinha visto.
tava na lista.
o filme é de 97, certo?
foram só 12 anos, okay?
eu morri?
não, certo?
então tá.
comprei o filme.
vi o filme ontem antes de dormir.
(trabalhei até as 18hs, às 9 da noite já estava babando...
animação total no sábado a noite.)

achei: mal-ajambrado.

tá faltando alguma coisa nesse filme.

mas eu gostei, tá, não estou falando mal, guarde os tomates.
(tô ligada que é o filme preferido de muita gente por aí)

acho que foi o cabelo do Ewan McGregor.

tem cenas muito bacanas como o karaokê Beyond the sea, a cena do pedido de resgate na cabine telefônica, e mais algumas outras coisas, mas ó - não sei, não...

uma estrelinha e meia vai pra trilha sonora (com uma versão muito boa da Leave, do REM)


mas é o tipo de filme que eu vou precisar ver de novo pra dar uma opinião mais... assim... né...

Confúcio

aquela velha história de que primeiro se deve aprender a cuidar do próprio umbigo pra depois tentar cuidar da vida dos outros...

(em ordem decrescente)

Para propagar a virtude pelo mundo, tem-se primeiro que dirigir seu próprio país.

Para dirigir seu próprio país, tem-se primeiro que dirigir a própria família.

Para dirigir a própria família, tem-se primeiro que regular o próprio corpo através do treinamento moral.

Para regular o próprio corpo, tem-se primeiro que regular a própria mente.

Para regular a mente, tem-se primeiro que ser sincero em suas intenções.

Para ser sincero em suas intenções, tem-se primeiro que aumentar o próprio conhecimento.

(T.H. White, O livro de Merlin)

A morte de Artur - parte 1


Parte 1, porque até agora quem morreu foi o Artur das Brumas...
e, diga-se, estou de luto.
que livro fantástico.
terminei e já me deu uma vontade lascada de começar de novo.
sabe que eu tenho um problema sério com novelas assim, mais longas.
quando chega nos ultimos capítulos eu começo a "economizar" o livro, sabe?
leio duas péginas por dia, só.
não quero que acabe.
fico com saudade dos personagens.
o foco no ultimolivro das brumas, "O prisioneiro da árvore", é numa morgana muito louca querendo de qualquer forma que avalon fique na terra, o que não acontece, as brumas ficam cada vez mais espessas, as pessoas cada vez preferem mais a fé simples no cristo morto do que nos complicados deuses da antiguidade, a pasmaceira da paz conquistada pelo artur e seus amiguinhos torna-se enfadonha (num dado ponto os cavaleiros só se reunem pra relembrar os velhos tempos - de luta...)
sad, but true, a gente só dá valor pra coisa quando a gente não a tem.
ela desiste, na velhice chega até a notar como virgem Maria se parece com a grande mãe, e outras santas católicas lembram as outras faces da deusa celta, como tudo na vida se assemelha e no fim das contas, somos todos feitos de átomos iguaizinhos, sem tirar nem pôr.
A chama ao vento, quarto volume do Único e Eterno Rei termina com um Artur resignado, esperando seu próprio filho reunir seus soldados contra ele, envergonhado por seus próprios cavaleiros quando estes se juntam para não mais aceitar a traição de Guenever e Lancelote.
Um artur que numa noite em que se vê sozinho pensando nos ins and outs da guerra, se afinal de contas vale a pena ou não, resolve pedir pra um servente que não lute por ele, que se salve da guerra iminete e saia pelo mundo a fora contado a história de como aquele reizinho trouxe a paz ao seu reino por décadas (e como tudo foi destruído pela burrice do homem...)
T. H. White era um cara que desprezava a raça humana, diga-se.
ainda tem mais um volume.

o fim da mamata

pôxa vida, acabaram minhas férias de 3 meses...
tsc,tsc.

agora é um corre-corre desgraçado.
(bom pra perder os quilinhos adquiridos nas férias;)

(lovin' every minute of it ;)

mas então...


o quarto capítulo do librinho não se aplica...

I mean, super-se-aplica, mas não é dica de "escrevimentos", e sim de como refrear ataques desenfreados a tranqueiras comestíveis.

Diz-se então que nessas horas é necessário fazer 4 perguntas:

1) Estou com fome?
é claro que não, se eu estivesse com fome, eu comeria um belo prato de arroz com feijão, e não bolacha Bono de doce de leite com nutella... tsc...

2) É isso mesmo que eu quero comer?
sim, é o que eu quero comer - não quer dizer que seja o que eu preciso comer. hã, hã?

3) É isso que eu quero comer AGORA?
mas tá parecida com a pergunta número 2, hein?....

a-go-ra o que eu uero comer é um pacotão de doritos com uma latinha de coca-cola.

mas eu não vou fazer isso porque ainda nem tomei café da manhã e ainda resta um pouquinho de noção na minha vida...

(em vez disso, vou comer uma fatia de chocotone (sim, eles ainda existem... e a validade é até junho, então valeu a pena fazer o estoque...) com um copo de leite com nescau.)

4) Há alguma outra coisa que eu possa comer em substituição?
sim, claro, claro, sempre posso comer um pacotinho de club social com chá verde...
<< >>