Leiturinhas: como acabar com a pilha de livros lidos pela metade

O marcador de página já está quase se tornando parte integrante do livro, praticamente grudado entre duas páginas, e você nem lembra mais em qual das duas você parou.
É nessa hora que você se dá conta de que comprou aquele livro há 2 anos atrás, começou a ler no ônibus de volta pra casa, e... sei lá, foi fazer a unha e nunca mais voltou.

Eu faço parte daquele grupo de compradores compulsivos de livros (conheço vários, e sempre fico feliz de saber que não sou a única louca).
Não posso entrar numa livraria - ou eu compro um livro, ou saio de lá com uma sensação de vazio... nas mãos, porém com  a certeza de que ainda tenho 60 reais no banco (porque livro é caro pra cacete, vamos combinar.)

Aí que eu não tenho tanto tempo pra ler quanto eu gostaria.
E quando tenho tempo, ou estou deprimida, vendo temporadas inteiras de seriados numa tacada só (de preferência no escuro - nem abro a janela do quarto nesses dias), ou estou caçando vídeos de futilidades desenfreadamente no youtube.
(futilidade é minha amiga.)
como diria James Hetfield - sad, but true.

Ma enfim, eu criei meu próprio mecanismo de autosabotagem no quesito compras de livros - tipo, entro na livraria cultura só pra usar o banheiro (looooou-ca.), e decidi que se tiver no mundo algum livro que eu NECESSITE ler, antes de adquirí-lo, tenho que terminar de ler 3 livros da pilha dos "por ler".

Então eu terminei 3 librinhos e comprei felizinha o librinho que estou lendo agora - tá alí do lado (lembrando que ainda estou com mania de Tudors).

O primeiro livro a ter sua leitura completada por mim, foi o "Breve História de Quase Tudo", dum cara chamado Bill Bryson.
Comprado no verão de 2005 (veja bem, 2005!!!), quando éramos todos jovens e felizes, este librinho, que na verdade é um librão com mais de 500 páginas, teve sua leitura interrompida umas... sei lá, 15 vezes ao longo desses 4 anos...
O livro na verdade é uma espécie de reportagem gigantesca que um jornalista bem humorado fez sobre a história do universo (?) quando se deu conta de que não sabia, assim na-da. Nada. Nada sobre nada.
Sabe aquele momento "só sei que nada sei"? Então. Ele despirocou e saiu pelo mundo à procura de especialistas pra responder perguntas básicas do tipo quem somos? de onde viemom? para onde vamos?
No fim das contas o livro virou um curso básico de ciências (no plural, mesmo - física, química, biologia, geologia, etc,etc...) para leigos.
Já falei que ele é bem humorado?
A leitura, apesar dos assuntos, é bem leve.
Recomendo.
observação: em um dado momento, quando do capítulo referente às águas, formação de oceanos, precipitações, e etc, o Seu Bryson me tirou uma dúvida cruel: sabe aquela expressão do inglês, "cloud 9"? usada pra coisas do tipo "She's very happy, she's on cloud 9"? ou se a pessoa está triste, se diz "she's fallen from cloud 9"?.
Então! Cloud 9 é o tipo de nuvem mais gordinha (sabe nimbus, cúmulus, etc? então, são 9 tipos de nuvens, e a cloud 9 é a nuvem mais legal, porque é a da certeza da chuva - e chuva pra quem é da agricultura é sempre legal.
ok.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

<< >>