BlogWriMo: FAIL

Como todos notamos, falhei miseravelmente com o projeto BlogWriMo.

Foi surpresa pra mim - eu estava realmente empolgada para escrever um post por dia no início do mês.

Enfim, como convidei a todos que visitassem o blog diariamente para os posts, nada mais justo do que justificar o fail grandão:

Minha avó faleceu na noite do dia 6 de novembro.
É.
E eu perdi o fio da meada.
Perdi a vontade de escrever.

Alguns dos vídeos pós dia 06 já estavam gravados, há um bom tempo - eu faço isso, às vezes: deixo alguns vídeos prontos para eventualidades... só faltava editar.

Outros, eu gravei para me distrair - mesmo com a gripe dos infernos somada à laringite, que tem me acompanhado nas últimas semanas, e que não me deixam...

Mas hein, BlogWriMo...
Tem sempre o próximo novembro ;)

Beijo pra todo mundo, 'té mais ;)


Bate papo com o pessoal do curso de Letras da Faculdade Sumaré (BlogWriMo #6)

Parte do pessoal que participou do bate papo ;)

Fui convidada pela Iris, professora de literatura da Faculdade Sumaré (e que também é colega- “tchitcher” ;) a conversar com os alunos sobre literatura/leituras/experiência com o canal e afins.

Acabei optando por falar sobre como anda a leitura no Brasil, falei sobre os resultados da  última pesquisa, que mesmo desatualizada (ela é feita a cada 4 anos, e a última foi feita no final de 2011), trazia alguns dados relevantes para discussão, como por exemplo a queda do número de leitores no Sudeste enquanto o número cresce no Nordeste, mulheres leem mais do que os homens, e por aí vai.

É claro que com uma “palestrante” sem foco como eu, a conversa passou também pelo mercado saturado (principalmente de livros para jovens adultos), o descuido com as bibliotecas públicas, tradução e revisão capenga de livros, etc,etc...

Enfim, foi muito gostoso ter conhecido e conversado com todos os presentes, ter acrescentado mais essa experiência à minha bagagem, e poder reafirmar que conversar ao vivo com vocês sobre livros, leituras e afins é muito bom, gratificante de verdade ;)

E eu ainda ganhei flores e um livro lindo ;)))



Aproveito o post para agradecer, mais uma vez, à teacher Iris pelo convite e oportunidade, aos alunos pela participação e pelo carinho, e a você que está lendo agora ;)

PS: ainda estou esperando ser marcada nas fotos  tiradas, para poder roubá-las solenemente ;)

Top 5: Balada de Rock-Farofa (BlogWriMo #5)

Estava eu quieta, no meu canto, vendo o último vídeo da Elizabeth, do Books & Pieces, quando ela me solta um trecho de um vídeo do Def Leppard.

Foi então que tive a inspiração para este post. (Alívio total. Não tinha ideia do que escrever hoje ...)

Um Top 5 de Baladas do Rock Farofa.

Já que o youtube não me permite mais fazer vídeos sobre músicas e colocar trechos, resolvi fazer isso por aqui, mesmo. Vamos ver no que vai dar.

5) Love Bites do Def Leppard

Existe uma versão brasileira dessa música. Assim que você aí, que tem mais de 25 anos, começar a ver este videoclipe, automaticamente será transportado/a a uma das músicas mais grudentas dos anos 80.
Estou avisando.
E é uma das músicas preferidas do Hpcharles.
Pergunte a ele, eu não sei de nada.

(Obs: podia jurar que tinha peitinhos nesse vídeo...)


4) Forever, do Kiss

O que dizer sobre essa música...
Eu estava em dúvida se colocaria essa música aqui ou a Wasting love do Iron Maiden - mas cheguei a conclusão de que Wasting Love é uma música boa, de verdade. E balada de rock farofa tem que ser de gosto duvidoso...
Fiquemos, então, com a Forever.
que é, assim, melô do jovem adulto apaixonado.


3) Final Countdown, do Europe

Dessa música, até minha mãe gosta.
Preste atenção na letra: é ficção científica, minha gente.
"we are heading to Venus". ;)
E é o melô dos professores da escola onde trabalho durante o final dos semestres.


2) Born to be my baby, Bon Jovi

Vídeo-clipe divertido.
Bon Jovi cabeludo e com permanente.
Se você foi adolescente nos anos 80, você também teve um permanente. Admita.
E o refrão é "daqueles", hein, já vou logo avisando...


Poison, do Alice Cooper

Diz a lenda que a banda mais que farofenta Poison, tirou o nome da banda dessa música do Alice Cooper.
Que é minha balada-farofa preferida.
E Alice Cooper é pegador (" I wanna hurt you just to hear you screaming my name").
Tirem as crianças da sala.
Ou não, porque taí mais um videoclipe que eu podia jurar que tinha peitinhos e homoerotismo, o que está acontecendo com os videoclipes na internet???????? Censura???? wtf?????




Shuffle Roulette #4: Dark is the night for all (BlogWriMo #4)

O bom de clicar no shuffle é que provavelmente você vai ouvir músicas esquecidas no seu MP3 player.

Clicar no shuffle do iPod hoje me levou a ouvir essa música que, provavelmente eu já não ouvia há uns dois, três anos.

Dark is the night for all é uma das melhores do A-ha, banda norueguesa dos anos 80 que, olha aí esse bulying, é uma das minhas bandas preferidas.

Ela está no disco Memorial Beach, de 1993, mesmo ano de Pablo Honey. Pablo Honey, do Radiohead. Que eu não gosto. Nem um pouco.

Mas as pessoas vão se lembrar de 1993 até por um disco medíocre como o de estreia do Radiohead - mas não vão se lembrar desse mesmo ano como o ano do lançamento de Memorial Beach, o disco bacanudo do A-ha, coitada da banda que precisou disfarçar e enviar o single para as rádios americanas sem o nome da banda, para ver no que dava.

(Tudo culpa da Take on me - por causa dessa música, que tocou até dizer chega, e que acabou virando motivo de chacota, as rádios americanas passaram a ignorar a banda. Não tocaram nem as músicas bacanas do disco anterior East of the sun, west of the moon.)

Preconceito feio, isso daí. Enquanto esse boicote rolava nos EUA, A-ha fez público recorde no encerramento da segunda edição do Rock In Rio, em 1992.
Se não aparece mais no livro dos recordes, deveria.

Mas hein, 1993, Dark is the night for all é uma música bonita de doer.

Pode ouvir com fones de ouvido, ninguém vai rir de você.


Obs: essa não é a minha música preferida do Memorial Beach - a melhor, na minha opinião, é a Locust.

>>